PLANTIO

PLANTIO
PLANTIO
(Genaura Tormin)

Deus,
Senhor dos mares e montes,
Das flores e fontes.
Senhor da vida!
Senhor dos meus versos,
Do meu canto.

A Ti agradeço
A força para a jornada,
A emoção da semeadura,
A alegria da colheita.

Ao celeiro,
Recolho os frutos.
Renovo a fé no trabalho justo,
Na divisão do pão,
. E do amor fraterno.

segunda-feira, 9 de março de 2009

Prefácio para o livro PROMESSAS



O poeta é um trabalhador de versos!
Livre para voar alto, solto, longe, ele encanta e se encanta. No galope das metáforas, cria fantasias, ouriça sentimentos, pega carona no vento e conquista o infinito.

O poeta chora, sorri, acalenta e consola. É um artesão do amor! Dá asas às esperanças, riso às tristezas, perseguindo caminhos vários para cantar chorando e sofrer sorrindo.

É um manancial de emoções, um caudal que faz florescer as margens e seguir cantando para o mar da vida.
O poeta é protetor, amigo, desprendido e benfazejo. É metacoração. Meio anjo, meio canção.
Escorado na certeza de seus versos, veste os dias de esperança na cantiga das mudanças, das promessas, do sorriso fácil e do amor compartilhado.

Os olhos encantam, as palavras confirmam e a escrita é a missiva direta ao leitor que dela necessita. Há quem diga que “ler poesia, significa azeitar a alma!”

E é assim o Planetaliteratura, esse nosso cantinho, cheinho de poesia, onde o amor se transmuda na policromia alvissareira que se doa por inteiro no prazer de viver, conviver e construir o porvir.

Um espaço de liberdade que exacerba a sensibilidade poética, pois “as aves nunca cantam nas grutas”.

Uma plêiade virtual que se desdobra na multiplicidade dos desejos, dos amores, deixando fluir tantas emoções, tanta ternura, desnudadas, agora, nos veios da poesia dessa 3ª coletânea, em que os elos se juntam numa mesma corrente, sob o título: PROMESSAS.

Um casamento perfeito: rima, asas e canção! Um vôo pela diversidade, onde cada escritor divaga à procura da felicidade

Belo trabalho, belos poemas! A cada página, eles se esgueiram faceiros, inebriando a alma e o coração do leitor.

Uma história cantada em versos e reversos dessa Casa de Versos, laços indesmancháveis de amizade e afeto.

PROMESSAS eternizará a saudade de um passado, que ficará guardado por cancelas, na propriedade do coração de cada um de nós.

Parabéns!

Outono de 2007

Genaura Tormin
- Escritora -

Nenhum comentário:

Postar um comentário

O seu comentário significa carinho e aprovação. Fico cativada e agradeço. Volte sempre! Genaura Tormin

LEVE, LIVRE & SOLTA!


Sejam bem vindos!
Vocês alegram a minh'alma e meu coração.

Era uma luz no fim do túnel e eu não podia perder.
Era a oportunidade que me batia à porta.
Seria uma Delegada de Polícia, mesmo paraplégica!
Registrei a idéia e parti para o confronto.
Talvez o mais ousado de toda a minha vida.
Era tudo ou NADA!
(Genaura Tormin)


"Sou como a Rocha nua e crua, onde o navio bate e recua na amplidão do espaço a ermo.
Posso cair. Caio!
Mas caio de pé por cima dos meus escombros".
Embora não haja a força motora para manter-me fisicamente ereta, alicerço-me nas asas da CORAGEM, do OTIMISMO e da FÉ.

(Genaura Tormin)