PLANTIO

PLANTIO
PLANTIO
(Genaura Tormin)

Deus,
Senhor dos mares e montes,
Das flores e fontes.
Senhor da vida!
Senhor dos meus versos,
Do meu canto.

A Ti agradeço
A força para a jornada,
A emoção da semeadura,
A alegria da colheita.

Ao celeiro,
Recolho os frutos.
Renovo a fé no trabalho justo,
Na divisão do pão,
. E do amor fraterno.

quarta-feira, 22 de outubro de 2014

FLÁVIO TORMIN RECEBE TROFÉU do PRÊMIO SERVIDOR DE MÉRITO no TRT-GO



FLÁVIO TORMIN RECEBE TROFÉU do PRÊMIO SERVIDOR DE MÉRITO no TRT-GO
(Genaura Tormin)

O tempo, em sua pressa, vai colorindo os meus cabelos, vergando-me a silhueta, mas o sorriso e a satisfação estampam-se altaneiros ante às muitas conquistas dessa linda família que Deus nos permitiu construir. 
Obrigada, meu Deus, pelas ferramentas que tão bem esculpiram cada uma dessas crias.

Ainda corro, como no passado, para aplaudí-las, incentivá-las a florir os caminhos com as alcatifas do bem, do trabalho honesto, da simplicidade e do amor.

Ainda sou aquela mãe antiga que chora, sorri e agradece nessas ocasiões, debulhando-se em lágrimas, beijos e abraços.

Mais um troféu nesse ministério!
Meu coração está em festa! 


Postada à frente, assisti de cátedra o
filho FLÁVIO TORMIN ser reconhecido em linda cerimônia no Auditório do Tribunal Regional do Trabalho de Goiás com o PRÊMIO SERVIDOR DE MÉRITO pelos bons trabalhos prestados àquela Corte de Justiça de onde é serventuário. 


E eu estava lá atenta, feliz, registrando aquele momento para a posteridade, colacionando-o no meu arsenal de memórias.
Não há nada mais gratificante!

Não há dinheiro que compre esses valores que constroem um "Homem de Bem"!
Parabéns, meu filho! 


O homenageado é você, mas a felicidade é minha. Minha por ser a sua mãe, sua colega de trabalho e ter esse tempo para conferir a cria que pari, acalentei, alimentei com a seiva do meu ser e pude guiar pelo caminhos do amor, da retidão e do trabalho.

Assino embaixo e aprovo!
Colo no seu caderno da vida uma estrelinha amarela!

Que Deus o abençoe sempre!

Beijos dos seus pais
Alfredo e Genaura Tormin

SÍNDROME DO NINHO VAZIO





SÍNDROME DO NINHO VAZIO
(Genaura Tormin)

Na primavera nasceu a nossa filha, linda, sadia, uma flor!
Um sonho realizado, o meu corolário de amor.
Arrumei o cabelo, maquiei o rosto,
E vesti um penhoar bordado de vermelho
Para conhecê-la no berçário,
Embora já trocássemos carinhos diários.

O coração batera forte e o meu ser se enternecera.
Sem poder conter o pranto, postei-me a agradecer.
O meu presente era ela: o bebê mais lindo daquele dia,
Feito de amor, com as fímbrias da alma em harmonia,
Sob a guarda do coração enamorado.

Da primeira palavra, eu não posso esquecer.
Quando a descobri de pé, sorrindo para mim;
Os primeiros passos, o primeiro dentinho...
Ah, isso, nunca esqueci, até parece que estou a ver.
E a vida virou eterna primavera, cheia de anjinhos.
Mais três irmãozinhos vieram para nos fazer companhia
E encher a nossa vida de alegria.
Uma árvore cheia de passarinhos!

Lembro-me do primeiro dia de aula, da palavra MAMÂE,
Desenhada com a sua letrinha, das redações, dos poemas,
Das bonecas nas casinhas... e dela, como professorinha,
A ensinar aos irmãozinhos com tanto carinho.
Do sucesso na escola, dos passeios de veraneio,
Do papai Noel que dava moedinhas...
Entusiasmados, eles guardavam nos cofrinhos.
Que alegria era a nossa família!

Depois, eles cresceram: faculdade, bacharelado...
E nós torcíamos a cada vitória, chorávamos nas formaturas,
Nas aprovações de concursos,
Nas investiduras de cargos...
Sentíamo-nos também vencedores,
Pois a felicidade dos filhos sempre foi a nossa realização.

E como esses filhos cresceram!
Em tamanho e em valores, fazendo-nos felizes.
A cada ano, um deixava o aconchego do lar,
Para o próprio caminho palmilhar,
Ao lado de um grande amor.
Até que o último pássaro alçou seu voo.

O ninho ficou vazio, a árvore solitária...
Desapareceram as risadas, as conversas,
O afeto gostoso de todo fim de tarde.
Esconderam-se, feito estrelas em noites de chuva.
Tudo ficou triste, nem a lua restou por companhia.
Somente saudades daquele convívio, daquela alegria...

Agora, a "síndrome do ninho vazio".
Um tédio ambulante passeia pela casa,
Os ecos se formam pelos cantos em soluços inaudíveis.
As camas sem hóspedes, sem donos...
As luzes não se acendem mais.
Tudo ficou desnecessário!
Falta a alegria, falta o vozerio...
Há um gosto de saudade impregnado no ar.

À mesa, as cadeiras desocupadas
Parecem encharcadas de abandono.
Os talheres não mais têm vida.
Não tamborilam sobre a mesa.
Tudo se resumiu a dois lugares marcados.
Justamente como no início: eu e seu pai.

Hoje, mais experientes,
Pois superamos as dificuldades,
Vivenciamos a dor e encaminhamos vocês
Na trilha do bem, na trilha do amor.
Resta-nos o sentimento de dever cumprido.
Embora longe dos nossos cuidados,
Do nosso carinho, do afeto diário,

Sempre seremos nós os pais de vocês.

sexta-feira, 3 de outubro de 2014

PEQUENOS POUPADORES


PEQUENOS POUPADORES
(Genaura Tormin)


Temos 4 filhos.
Todos endereçados à trilha do bem. Profissionamente seguem os seus caminhos.
Fico contente em vê-los à direção de suas vidas, administrando a prole.

Nós sempre os ensinamos o valor do trabalho. Interagiam nas tarefas domésticas: manutenção e organização dos seus pertences, do quarto, feitura das camas, afirmando sempre que a casa era nossa, deles.

Assim todos auxiliavam, minorando o trabalho e repartindo alegria no balanço da responsabilidade. Coisa séria, dizíamos sempre.

Primeiro o dever, depois a diversão. Somos uma família unida e feliz onde todos se ajudam e se amam. Somos elos de uma mesma corrente. Um por todos e todos por um até hoje.

Pequenos afazeres esporádicos, eram às vezes remunerados para possibilitar a compra de um picolé ou outra guloseima da predileção no momento. Sempre quando pediam, nunca “ultra-petita”.

Isso os fazia entusiasmados, criativos, contentes e trabalhadores. Filhos e amigos sempre. Pequenos aprendizes. E, assim, estava sendo esculpidos o caráter, a responsabilidade e as bases que os tornaram os cidadãos dignos e felizes que são hoje.

Pois é:
Agora descubro a mesma conduta repassada por eles aos filhos.
Especialmente a família do Flávio que é nosso vizinho e está sempre entre nós.
Uma família linda!

Tem dois filhos: um de 9 anos e o outro de 7 anos.
Vê-se que o casal endereça aos garotos um cuidado especial na escolha da educação e na construção dos valores morais e crísticos. Aos filhos amamos mais do que a nós mesmos.

É preciso cumprir os ditames do amor e os legados de pais, pois o tempo não espera e logo se tornarão adultos para dirigirem o destino e enfrentar o mundo.
Muito inteligentes, educados e com o sorriso sempre até nos cantos das orelhas, enfeitam e alegram os nossos dias.

Estudam numa boa escola em horário integral, tendo em vista os pais trabalharem durante todo o dia. É a exigência da vida. O somatório que se faz necessário para o enfrentando dos inevitáveis compromissos, requeridos pelo progresso. Desde os anos 60 que a mulher desfraldou sua bandeira, nivelando-se ao parceiro como somadora de esforços comuns. E isso é bom.

Entretanto quando em casa, a atenção é carreada totalmente para os filhos, numa participação interativa e amistosa.

Admiro o carinho partilhado. Certamente fará a diferença no porvir.
Os garotos são instruídos sobre tudo, dentro da faixa etária, no exercício de pequenas tarefas, cuidados... Tudo dentro dos veios do amor, o que os fazem amados e interessados.

Achei legal o ensinamento sobre dinheiro, despesas, escolha, controle e precauções. Cada um tem uma conta poupança em que é depositada uma pequena mesada e um cartão de débito. 

Ambos, formalmente foram ao banco para fazerem o depósito e requererem o cartão. Cidadãos no exercício de seus direitos, cujas assinaturas já ganhavam legitimidade num estabelecimento bancário! 

Percebe-se a alegria e o tino dos pequenos poupadores. Parece que se instruem com os comentários do Mauro Halfeld, especialista em finanças pessoais, na CBN.

Sisudos e altaneiros, com ares de importância, processam suas compras de lanche e por vezes algum brinquedo. Sabem negociar com o dinheiro e criam planos de economia e capitalização para futuras aquisições.

Satisfeitos gabam-se do quanto já pouparam e falam em aplicões no Tesouro. Isso significa que estão atentos aos comentários, ouvidos aleatoriamente. A vovó não consegue segurar o riso, mas há uma boa intenção nisso.

Acho maravilhoso esse jeito de educar e ensinar a ter traquejos com a economia doméstica, pois a família é uma empresa.

Para eles, representa um crescimento que lhes impinge responsabilidade. E é assim que vai se esculpindo o caráter, os sentimentos e o endereçamento ao futuro que os espera. 

Com certeza, tudo está sendo guardado no arquivo da memória para repasse futuros, pois a vida é cíclica.

Parabéns aos pais/mestres e aos alunos/filhos!

domingo, 21 de setembro de 2014

SOMOS TODOS IGUAIS


SOMOS TODOS IGUAIS
(Rodrigo Tormin)

Que bobagem essa coisa de racismo!
Todos nós somos iguais,
Apenas pensamos diferente.
O racismo é um abismo,
De coisas ruins e chatas.

Se eu tivesse inventado o racismo
Seria como a paz mundial,
Cheia de coisas boas
E de alegria para todos.

O racismo, ao invés de ser coisa ruim,
Seria até mesmo uma palavra bonita,
Uma palavra misteriosa,
E bem curiosa!!!

Não sei quem inventou o racismo!
Mas sei que essa pessoa não era muito boa.
O racismo é uma expressão muito feia,
De dizer o que pensa do outro.

Se todas as pessoas fossem iguais,
O mundo não seria tão legal,
Teríamos que andar com o nome
Pregado na testa,
Para sermos reconhecidos.

Eu sei de uma coisa,
Nunca vou ser racista!
Preto e branco
São duas lindas cores.

Mas, independente da cor,
As pessoas têm apenas
Um destino para viver:
A sinceridade!
A educação!
E o respeito!!!
Isso que é importante no nosso

Dia-a-dia.
_________

Revendo arquivos, encontrei esse poema do Rodrigo, meu neto, quando ele tinha 10 anos. 
Fiquei emocionada e pensei: Como as crianças são lindas e puras. 
Que grande sentimento. 
Ele queria ser escritor. Chegou a escrever contos, nessa época. 

Antes ele, bem pequeno queria ser dentista, como o avô.
_ Vovô, por que vc usa roupa branca?
_ Porque o vovô é dentista!
_ Por que vc é dentista?
_ Porque o vovô estudou muito!
_ Então eu sou dentista, vovô! Eu estudo muito na minha escola!
Nessa época, era pequerrucho! Tinha uns 3 anos, mas já ia para a Escola.
Que saudade! Quanta alegria a gente experimenta com essas crias!
Netos são anjos que Deus nos manda para que não tenhamos tristezas.
Amo vc, Rodrigo!

sexta-feira, 19 de setembro de 2014

VALEU A PENA



VALEU A PENA
(Genaura Tormin)

Viver é lutar,
Buscar
Recomeçar a cada queda!
Achar portas e janelas
Sonhar e realizar
Na construção de um novo ser,
Lapidado pela dignidade,
Pelo amor
Que exalta e enobrece.

A gente cresce,
Vence a arrogância,
Ambições, orgulho,
Egoismo...
Vence as trincheiras
Na ascensão de si mesmo.
Aí descobre que
Valeu a pena viver!


segunda-feira, 15 de setembro de 2014

MENSAGEM AOS SOBRINHOS ALEXANDER E RAQUEL pelo casamento


CASAMENTO DE RAQUEL E ALEXANDER
(Genaura Tormin)

“Crescei-vos e multiplicai-vos”, disse-nos o Criador de Vidas, para significar a nossa participação na construção do mundo.


Um belo convite anunciava o enlace matrimonial de RAQUEL E ALEXANDER, marcado para “Quando Setembro Vier”.

E setembro veio cheio de encantos. A primavera em festa!

Ao cair a noite, com pássaros em revoada, brisa amena, música angelical e o céu em seu traje de gala, revestido de paz, o casal entrava no aconchegante Santuário de São Francisco, na cidade de Pontalina-Go. O ambiente espargia amor, ternura… Deus estava ali.

Aos pés do altar, diante de Deus e dos homens, Raquel e Alexander disseram SIM: à vida, à felicidade, ao sonho, unindo suas almas num só destino, num só caminho, rumo a construção de um ninho. 

Dois pássaros enamorados no mesmo galho.

E o que é registrado no coração, a alma confirma, Deus abençoa e a vida eterniza! 

É o poder do amor em sua mais bela essência! 

Desse empoderamento florescerão lindos rebentos que perpetuarão essa alegria e escreverão no tempo a história de vocês.

O clima era de paz, ternura e um cheiro de felicidade pairava no ar, calava-nos a voz e quedava-se em cada coração que abençoava vocês naquele momento.

Pensei haver transcendido os liames da terra. 

Tudo colorido, iluminado, florido em tons suaves, enfeitado por tão bela música, que parecia regida por anjos.

Isso é o amor! – pensei extasiada.

Exacerbado amor!

É a procura do eterno.

É a forma mais linda que Deus encontrou para que o homem fosse criatura e criador: propagasse a espécie, ascendendo de acordo com as leis da natureza e contribuindo para o progresso do Planeta. 

Vocês conquistarão o Universo, a Terra Prometida, o objetivo maior de duas pessoas que se amam. 

Serão iguais às asas de um pássaro, que não se subjugam, mas se equilibram lado a lado, propiciando a plenitude do voo, em total cumplicidade.

Singrarão outros mares, novos portos, percorrerão novos caminhos na perpetuação da felicidade, sem nunca se esquecerem de que a família é a instituição base de uma sociedade sadia.

Esse aconchego assemelhar-se-á ao cultivo de um jardim, que agora terá dois jardineiros empenhados no adubo da terra para a exuberância das flores.

Enquanto o padre Alessandro celebrava a cerimônia, por sinal, uma das mais lindas que já assisti, fiquei passeando, vagando nos meandros de mim mesma, procurando encontrar a receita para esses elos que se juntam numa mesma corrente para propagar o afeto e a prole, sob as bênçãos do Criador de vidas. Resoluta retornei aos versos do meu poema, convicta de que:

Amar é oferecer ao outro o chão,

Se lhe faltar o equilíbrio,

Ou o sonho quando a dúvida se fizer presente

E o desejo tiver dificuldades para voar.

É aceitar, perdoar, verbalizar,

Tolerar e lutar sempre.

É isso que faz a vida valer a pena!

Reconstruí a lira e envolta nesse poema-prece, vi-os sair de mãos dadas, em estado de graça, enlaçados na alegria, nos devaneios do querer pelo comprido tapete que os levou à porta da saída, o ingresso para um novo mundo, novos projetos de plumas e sorrisos, embora por vezes, possam ser mesclados por espinhos atrevidos, inerentes ao fortalecimento da alma, como bem disse o celebrante. É quando Deus fica em silêncio.

A mais linda das etapas! Deus precisa de coadjuvantes para o construção de sua obra. Por isso vocês foram chamados ao front.

Afinal, viver é isso! 

E o sonho tem de continuar aceso, e ambos namorados, amigos, companheiros e, acima de tudo, apaixonados. AMÉM!

...“E agora, Senhor, fazei que eles Vos bendigam para sempre!”

Parabéns! Que sejam felizes para sempre!

sexta-feira, 12 de setembro de 2014

FELIZ ANIVERSÁRIO, ALFREDO




FELIZ ANIVERSÁRIO, ALFREDO


Alfredo, querido,

Hoje é o aniversário de uma pessoa muito importante e querida na minha vida! Que me apóia, que me ama e me ampara nas tormentas, dividindo comigo as alegrias, os problemas e os sucessos.

Que me fêz mulher e me agraciou com os mais lindos presentes do mundo: 4 lindos filhos, tesouros que enfeitam a nossa vida.
Essa pessoa é Você, Alfredo De Paiva Tormin

Sou muito feliz em ser a sua mulher e ostentar o seu nome.
Nesse plano terrestre já caminhamos muito.

Graças a Deus, temos conseguido sair ilesos e voar na calmaria e no entendimento, cumprindo a missão que nos foi confiada: um por todos e todos por um.

Nossa família é uma empresa sob a nossa administração.
São 46 anos de parceria, nessa sociedade que um dia tivemos a sorte de fundar.

Somos cúmplices!
E hoje vc aniversaria!
Parabéns, meu amor!

Muita paz, muita saúde, muita alegria!
Que Deus abençoe e ilumine sempre os nossos caminhos, guie os seus passos,  o seu encantamento de viver!

Como jardineiros desse jardim/família, continuo no adubo da terra, no plantio das flores... 

Minha enxada ainda ganha velocidade para carpir no eito junto com você, viu!
Feliz aniversário!

Beijos de sua mulher
Genaura Tormin

12.9.2014

PARABÉNS, LARA!




PARABÉNS, LARA!
(Genaura Tormin)

Hoje é o aniversário
De uma pessoa querida,
Colega do Judiciário 
Desta nossa confraria.
PhD em Mandados,
O que faz com maestria,
Deixando a sua marca e
Toda a sua simpatia.

Seu coração transcende o belo
E a espontaneidade encanta
Por seu jeitinho faceiro,
Seu sorriso de criança,
Além da alma fagueira
Que jornadeia esperança.

Essa moça é a Lara,
A minha filha querida,
Fruto do meu amor,
Que hoje aniversaria.
A ela muitos abraços,
Beijos e muita alegria.

Que Deus a proteja sempre
Na estrada desta vida!
Que o fardo lhe seja leve
E o jugo lhe dê guarida,
Enfeitando os seus caminhos,
Com rosas e margaridas.
________________

Feliz Aniversário!
Mamãe e Pai que a ama demais, viu, cria!

terça-feira, 9 de setembro de 2014

UMA SESSÃO EXTRAORDINÁRIA INUSITADA



UMA SESSÃO EXTRAORDINÁRIA INUSITADA
(Genaura Tormin)

Cuidar da família é uma sublime carreira, pois, o investimento maior é dedicado aos filhos, missão nossa, cabendo-nos a responsabilidade de endereçá-los à trilha do bem.

E isso se faz com presença, diálogo, carinho, orientação e exemplo. Por isso o casal pode se separar, os pais, nunca! É preciso saber fazer a diferença. É preciso preocupar-se com o desenvolvimento seguro dos filhos, pois serão eles os homens do amanhã. Dizem que quando vivemos na unidade, nossa morada torna-se um paraíso.

Basta pensar no grande número de crianças abandonadas, com pais vivos e ricos, que têm por amigos o aparelho de televisão, iPad, iPhone, videogame, redes sociais, internet, com seus benefícios e malefícios, sempre ditados pela solidão e revoltas da idade.

São os filhos dos pais “sem tempo” que, irremediavelmente, atribuem importância maior aos cifrões dos seus negócios, respondendo sempre: “Não posso agora, estou atrasado, é hora do jornal, do noticiário, da bolsa de valores etc.” Tentam materializar carinho e compensar a ausência com exageradas permissividades e presentes caros.

Ao exacerbar em oferecimentos materiais, os pais estão barateando a capacidade de luta dos filhos, diminuindo a busca e o desejo de conquista, o que os tornam frágeis. Como estão errados esses pais!

Quase sempre, esses menores, com todos os desejos materiais satisfeitos e as emoções diminuídas, e estando ainda verdes para o autoequilíbrio, o discernimento responsável, começam a perder a estima de si mesmos, tornando-se inseguros, tristes, rebeldes, enveredando facilmente pelo mundo das drogas à procura de carinho, de emoções maiores, iniciando o caos, que deixa marcas profundas, cicatrizes eternas.

O que adianta vencer profissionalmente, mas perder a família a qual é mais do que parte de nós? É missão e razão de toda a nossa luta na vida. É preciso conciliar família, trabalho, respeito e autoridade. “A melhor escola ainda é o lar, onde a criança deve receber as bases do sentimento e do caráter.” Acrescento que o maior e melhor remédio para tudo chama-se AMOR!

E esse tão lindo amor que dá sentido à vida é também uma questão de inteligência e responsabilidade. É preciso que se determinem limites e metas para a organização familiar, pois a energia também é amor.

O tempo não espera. Um belo dia você descobre que fez tudo errado. E o mais lastimável é que não há conserto. Não há dinheiro que consiga recuperar o que foi perdido.
(Este texto é parte do meu livro Pássaro Sem Asas – 6a. Edição.)

Ainda recente, num amistoso diálogo com uma colega de trabalho, ela me disse que teria que presidir a uma Sessão Extraordinária naquele dia em sua residência.

Aguçou-me a curiosidade e eu quis saber mais.
Explicou-me ela:

Temos 2 filhos: de 7 e 9 anos. É costume fazermos de vez em quando uma Sessão Extraordinária para discutirmos família, vivência, responsabilidades e falarmos de amor. Um momento de abertura e carinho só nosso.
Encantou-me o tema e ela continuou:

É, colega, é uma Sessão de verdade, nos moldes das Sessões Plenárias aqui do Tribunal. Uma mesa forrada, um livro de ata, uma jarra de suco, horário certo e os problemas a serem apresentados, que foram previamente listados por nós, os pais, e por eles. Por vezes, costumamos dizer que tal problema será posto em pauta e discutido na próxima Sessão. É um momento solene para todos.

Ali acha-se sempre a solução para todos os impasses: notas escolares, feitio de tarefas, boas maneiras, incentivos, alimentação, banho, arrumação das camas, uso e guarda de objetos e brinquedos, horários para diversão, passeios, projetos, além de conscientizá-los sobre o lugar que ocupam na família e no coração da gente, como importantes membros, credores de todo o nosso amor e razão de nossas vidas.

A seu turno, a palavra é dada a todos: papai, mamãe e os filhotes, o que é bem respeitado. Já é um hábito adquirido que muito os ajudará pela vida a fora

Há, também, uma fala sobre
Deus, como gestor de tudo, a quem devemos gratidão. Enaltecemos a solidariedade, o companheirismo, culminando em elogios em que todos nos sentimos partes, valorizados e amados.

Falamos sobre economia doméstica, futuro, explicando a razão de não podermos exacerbar em presentes... Começa a se formar aí a filosofia da vida.

Por um bom tempo tudo fica bem. Todos nós cumprimos o que foi ali tratado, respeitando a faixa etária e as lindas crianças que enfeitam a nossa vida, o nosso lar, a quem temos a responsabilidade de endereçar ao futuro que os espera.

E assim, vamos formando hábitos e construindo a base de nossa família, endereçando-a à trilha do bem e do amor.

Finalmente, eu lavro a ata, em que constam também os deveres e direitos ali debatidos.

Todos assinam e dali começamos um novo modelo de ajustamento.
Encerramos com uma prece, além de abraços e beijos.
Que maravilha é termos uma família para amar, um lar para voltar!

_ Que lindo ensinamento, registrei emocionada! Impulsionada pelas lágrimas, abracei a colega e parabenizei-a. As palavras ficaram entaladas na garganta.

A emoção tomava-me a alma e eu achei uma excelente forma de educar, construir e amar.

Uma linda e responsável família!

Imaginei a ata sendo assinada por aqueles pequenos.
A letrinha, os petitórios e a discussão de cada um...

Ah, eu amei essa conduta e pensei em multiplicá-la, trasladando o episódio num conto, o que acabo de fazer.

Obrigada, amiga querida, por me permitir aprender tanto com você!


sábado, 30 de agosto de 2014

CÉLULAS TRONCO




CÉLULAS-TRONCO
(Genaura Tormin)


Cumpro e assumo o direito de ser MULHER em toda a plenitude.



Quem sabe poderia estar andando de muletas, ou até sem elas, se não fosse o desinteresse e a insensibilidade dos profissionais que me assistiram naquela época.

Não atribuo a fatalidade a ninguém. Nada agora me devolverá as pernas. A ordem é aceitar-me como estou para viver melhor. Luta é a minha palavra de comando! E o campo de batalha é o meu “habitat”.

Sei que as pesquisas científicas avançam. Estamos diante de uma revolução médico-tecnológica, sem precedentes, desencadeadora de processos curativos extraordinários nas áreas neurológica e genética. É o marco deste milênio, que enfoca o uso da clonagem de embriões, principalmente nas pesquisas das chamadas células-tronco, tentando buscar a superação dos problemas do ser humano.

A experiência com célula-tronco no Brasil deixa o campo da teoria e passa a ser implementada na prática, após experimentos positivos em laboratório, tentando substituir a célula morta por outro tecido saudável.

“Células-tronco são células progenitoras(que geram outras), capazes de originar qualquer tipo de célula no organismo, dependendo do meio em que se encontram.

Até recentemente, encontrada apenas em embriões, trata-se, na verdade, da mais importante célula do corpo humano, já que possui a capacidade de se transformar em qualquer tecido ou órgãos perfeitos.
Simplificando, pegue uma célula-tronco e implante-a num coração e ela se transformará em célula de coração. Coloque-a num fígado e se transformará em célula de fígado; num cérebro, e ela se tornará numa célula cerebral.

Essas células-tronco, denominadas autólogas ou  adultas, são coletadas do sangue da pessoa, expandidas em cultura laboratorial e injetadas perto do local da lesão, com o objetivo de que se transformem na célula faltante”. Por isso não há implicações éticas envolvendo a experiência.  O estudo não sofre influência da Lei de Biossegurança.

Não há dúvidas de que as suas potencialidades são enormes, e pode-se esperar um novo tipo de Medicina que resultará em saúde e longevidade. Um verdadeiro tesouro!

O mundo inteiro está engajado nessas pesquisas. No Brasil, essas células-tronco têm apresentado sucesso nas áreas da cardiologia, neurologia, ortopedia, endocrinologia e outras mais.

Entretanto, as células-tronco mais importantes são as embrionárias que possuem o atributo da pluripotência, o que quer dizer que são capazes de originar qualquer tipo de célula do organismo, exceto a célula da placenta.

São as únicas que podem dar origem a qualquer um dos 216 tipos de tecidos que formam o corpo humano.

Somos uma nação organizada, tutelada! Todo poder emana do povo e em seu nome será exercido, diz a nossa Lei Maior.

Assim, a questão foi disciplinada na lei de Biossegurança, art. 5º

O art. 5º da Lei de Biossegurança, de 2005 (Lei 11.105, de 24.03.2005),

Artigo 5º - É permitida, para fins de pesquisa e terapia, a utilização de células-tronco embrionárias obtidas de embriões humanos produzidos por fertilização in vitro e não utilizados no respectivo procedimento, atendidas as seguintes condições:

I – sejam embriões inviáveis; ou

II – sejam embriões congelados há três (três) anos ou mais, na data da publicação desta Lei, ou que, já congelados na data da publicação desta Lei, depois de completarem três (três) anos, contados a partir da data de congelamento.

§ 1º Em qualquer caso, é necessário o consentimento dos genitores.

§ 2º Instituições de pesquisa e serviços de saúde que realizem pesquisa ou terapia com células-tronco embrionárias humanas deverão submeter seus projetos à apreciação e aprovação dos respectivos comitês de ética em pesquisa.

§ 3º É vedada a comercialização do material biológico a que se refere este artigo e sua prática implica o crime tipificado no artigo 15 da Lei no 9.434, de quatro de fevereiro de 1997.

Contra esse artigo, foi proposta a Ação Direta de Inconstitucionalidade, pelo então procurador-geral da República, Cláudio Fonteles, que defendeu que o embrião pode ser considerado vida uma humana.

A polêmica quanto às células-tronco embrionárias é que a maioria das técnicas implementadas implica na destruição do embrião.

A questão dividiu opiniões entre os diferentes setores da sociedade. A igreja disse que a Constituição garante a inviolabilidade do direito à vida e a dignidade da pessoa, e parte do princípio de que esses direitos são extensivos ao embrião, porque a vida começaria na concepção, por meio de uma célula chamada zigoto, que no 2º dia se biparte, originando a princípio da VIDA.

A defesa se alicerçou no fato de que:
- 90% dos embriões gerados em clínicas de fertilização e que são inseridos em um útero, nas melhores condições, não geram vida.

- Embriões de má qualidade, que não têm potencial de gerar uma vida, mantêm a capacidade de gerar linhagens de células-tronco embrionárias e, portanto, de gerar tecidos.

 - A certeza de que células-tronco embrionárias humanas podem produzir células e órgãos que são geneticamente idênticos ao do paciente, ampliaria a lista de pacientes elegíveis para tal terapia.

- É ético deixar um paciente afetado por uma doença letal morrer para preservar um embrião cujo destino é o lixo, daí a três anos?

- E conclui: Ao utilizar células-tronco embrionárias para regenerar tecidos de um paciente não estaríamos criando uma vida?

E finalmente no dia 29 de maio de 2008, foi votado constitucional  o artigo 5º da Lei de Biossegurança, questionado pela ADIN 3510.

Na Índia esses estudos científicos estão adiantados, e há muita esperança na cura para doenças degenerativas como mal de Parkinson, diabetes e de portadores de deficiência física.

Há milênios, Sófocles em Antígona disse: na natureza há remédio para todos os males.
Os mestres tibetanos também costumavam dizer: Cura o teu corpo com o teu próprio corpo!

São 28 países que já realizam pesquisas com células-tronco, entre eles Inglaterra, Austrália, Canadá, China, Japão, Holanda, África do Sul, Alemanha e outros países da Europa.

O benefício alcançará o grande número de pessoas com deficiência física. Na América Latina totaliza 85 milhões, dos quais 24,5 milhões no Brasil, sendo que 82% vivem abaixo da linha da pobreza.

Imaginemos um mundo em que a paralisia não exista e que um simples enxerto de células possa devolver os movimentos a quem sofreu lesão medular em função de acidente automobilístico, ferimento por tiro ou queda!

Ou imaginemos, ainda, um mundo sem atrofiados musculares ou sem a incidência da doença de Alzheimer ou do Mal de Parkinson... Sem doentes do fígado ou do coração...

Esse é um mundo que promete passar do imaginário à realidade em poucos anos no Brasil - disse a Dr.ª Erika Barros



Entretanto o deficiente tem que manter a cabeça erguida, continuar fazendo fisioterapia para que as articulações mantenham-se flexíveis e a musculatura não se atrofie. A receita é cuidar-se, manter-se ativo, com uma grande dose de autoestima para ser sempre um candidato apto a receber o tratamento celular que, com certeza, brevemente baterá à porta.


Durante séculos, a existência da condição de “deficiência” era considerada um problema da pessoa, de sua família ou mesmo da esfera religiosa. Gradualmente, a sociedade passou a adotar uma outra postura, baseada em valores filantrópicos ou assistencialistas.

No entanto, cresce a consciência de que a inclusão destas pessoas é um direito, que vem sendo árdua e cotidianamente conquistado. Os avanços têm sido mais frequentes que os retrocessos.

LEVE, LIVRE & SOLTA!


Sejam bem vindos!
Vocês alegram a minh'alma e meu coração.

Era uma luz no fim do túnel e eu não podia perder.
Era a oportunidade que me batia à porta.
Seria uma Delegada de Polícia, mesmo paraplégica!
Registrei a idéia e parti para o confronto.
Talvez o mais ousado de toda a minha vida.
Era tudo ou NADA!
(Genaura Tormin)


"Sou como a Rocha nua e crua, onde o navio bate e recua na amplidão do espaço a ermo.
Posso cair. Caio!
Mas caio de pé por cima dos meus escombros".
Embora não haja a força motora para manter-me fisicamente ereta, alicerço-me nas asas da CORAGEM, do OTIMISMO e da FÉ.

(Genaura Tormin)