PLANTIO

PLANTIO
PLANTIO
(Genaura Tormin)

Deus,
Senhor dos mares e montes,
Das flores e fontes.
Senhor da vida!
Senhor dos meus versos,
Do meu canto.

A Ti agradeço
A força para a jornada,
A emoção da semeadura,
A alegria da colheita.

Ao celeiro,
Recolho os frutos.
Renovo a fé no trabalho justo,
Na divisão do pão,
. E do amor fraterno.

terça-feira, 17 de março de 2009

OUTRO CAUSO DO SEU ZECA


OUTRO CAUSO DO SEU ZECA
(Genaura Tormin)

Li em algum lugar que “Ler poesia azeita a alma”. Acredito que ler causos engraçados ouriça o bom humor, agrada o leitor e faz brotarem sorrisos travessos, descontraídos...

Nesse lastro da boa prosa, lembrei-me do seu Zeca. Um senhor fantástico, inesquecível. Um macho, a toda prova, nos conformes do seu tempo e da libido que lhe aflorava os hormônios.

Homem parrudo, bom de papo, boa memória, contador de anedotas, e sempre encantado com o sexo oposto. Mulher tinha sempre um lugar de destaque em seu coração. Chamego bom e bem feito todas as noites para recuperar as energias, a fé, a alegria e a disposição para viver. Costumava dizer que isso era saúde.

Onde tinha mulher, lá estava ele, principalmente depois que ficara viúvo. Uma só não bastava para o gasto. Seu Zeca arranjara uma meia dúzia delas, registradas como esposas, pelo menos na igreja do amor.

Muitas histórias permearam a sua vida. Muitos amores, muitos causos sucediam, os quais ele contava com galhardia. Quem sabe por medo da idade avançada ou para se sentir aceito e tentar agradar o ouvinte.

Dessa feita, a patroa, uma mulher avantajada, roliça, feito uma melancia, havia viajado. Um pequeno passeio para rever parentes, marcar presença. Seu Zeca, não quisera acompanhá-la. Não tinha paciência para ouvir lereias, como dizia ele. E mais, sabia que sempre seria abordado para um dinheirinho emprestado, numa conversinha mole, cheia de trejeitos e acontecimentos inesperados. Disso, ele corria léguas. Afinal, se tinha alguns trocados, teria feito jus, teria dado duro no trabalho para amealhá-los, economizando o quanto podia. Agora, era a hora de colher os frutos. Emprestar, sim. Mas a juros, e altos. Era a sua maior fonte de rendas. Multiplicava a passos largos os vinténs que possuía, contados e guardados num pomposo cofre, o que lhe dava status e respeito.

Era cedo, o galo ainda cantava no terreiro, quando levara a patroa à rodoviária, como era o seu dever, com as devidas advertências, pois mulher, na cabeça do seu Zeca, tinha de ser recatada. Mulher direita tem de ter brio, dizia ele.

E ela se fora, restando para trás a poeira da estrada e um tempinho, com certeza, para seu Zeca aprontar.

Finalmente, só! Na cozinha, fora uma lástima. Êta como a patroa está fazendo falta, pensava ele, agarrado às panelas. Para isso, ele era bem desajeitado. Tinha que comer e o jeito era tentar fazer.

Depois, o cochilo costumeiro na espreguiçadeira, no alpendre bem arejado da casa. Lá, o vento sibilava altaneiro e os pássaros entoavam melodias nos picos das árvores. Até um papagaio falador era parceiro, tentando um diálogo meio atrevido: “Oi, careca, cadê a mué?”_ o bichindo repetia sem tréguas do alto de uma goiabeira.

E seu Zeca ali ficava, por horas a fio, observando quem ia e quem vinha. Se fosse fazer um relatório, seria bem preciso. Poderia até imaginar e descrever a vida de cada vizinho. Bisbilhotar não era com ele. Costumava dizer que era coisa muito feia. Ah, mas essa bisbilhotice captada pelos olhos e medida pela imaginação silenciosa, o seu Zeca tinha, sim. E como tinha! Todos eram seus conhecidos e amigos, e o cumprimentavam com denodo, valendo-se dele nas horas difíceis para socorro em alguma necessidade financeira.

Seu Zeca era morador antigo. Homem respeitado e querido. Do alto de suas mais de sete décadas de idade, não tinha obrigações com trabalho. Passeava pelas adjacências, visitando amigos, mercados, frutarias, sempre montado em sua bicicleta. É para manter a forma e economizar a gosolina do carro, dizia ele. Com frequência visitava o seu Joca da padaria, com quem gostava de confidenciar algumas escapadas, algumas conquistas baratas... Mas é segredo, finalizava baixinho no ouvido do parceiro. Isso enaltecia a sua condição de macho e o colocava na esteira da atualidade.

Costumeiramente, marcava presença na casa dos filhos. Era sagrado o almoço de domingo, com frango caipira, molho de quiabo e macarronada, feitos no capricho, conforme a tradição. Seu Zeca não era glutão, mas gostava de comer bem, sempre acompanhado da família e dos bons causos, como dizia ele.

Mas vamos às peraltices do rapaz!

Sentado, como de costume, no seu observatório, ficava a cismar, preocupar-se com as nuvens, os avisos da lua, o tempo de plantar, o de colher, e fazer constantes retrospectivas dos acontecimentos de sua vida, grande parte vivida na zona rural, onde se sentia senhor do seu tempo.

_ Bom dia, seu Zeca! Alguém lhe dirigira a palavra do gradil do portão.

Era a vendora de perfumes. Uma mulher meio ajeitada, com um decote que insinuava o conteúdo gorducho, deixando à mostra parte de seus contornos ousados e convidativos. No linguajar do seu Zeca, era uma potranca meio enxerida. Para ele, a fêmea sempre "estava querendo". Dependia do trato, do manejo bem feito.

_ Bom dia, senhorinha! O sol está quente hoje! Vai chover à tarde.

_ O senhor quer comprar perfume?

_ Não, senhorinha!! Essas coisas deixo por conta da patroa!

E a insistência continuara tão acirrada, com tantos motivos para convencê-lo a comprar o produto, que, finalmente, embalado pela vozinha melosa, meio rouca da madame no seu ouvido, foram-lhe dando uns arrepios na nuca, uma fisgada no pé da barriga, uma coceirinha gostosa na libido... E seu Zeca foi se ouriçando, olhando os lábios carnudos da “dona”, os trejeitos meio sem-vergonha do seu olhar, a fartura que lhe saltava do decote... E meio engasgado, pigarreou, passou a mão pelos poucos cabelos que ainda lhe restavam perto da nuca, arrebanhando coragem para selar a decisão do seu intento. Afinal já fazia 5 dias que estava em jejum.

Para ele, isso era muito tempo. Reputava esse acasalamento um dever sagrado prometido e confirmado diante do altar. Não dispensava o gostoso chamego todas as noites. Caso contrário, não conseguia dormir. Ficava fantasiando, vendo a patroa nua, lembrando de outras vezes... A mão ia passeando por suas curvas, assim como quem quer não querendo, o fôlego ia ficando ofegante, enquanto uma formigação danada percorria o seu corpo, num desejo irrefreável. O jeito era atacar. Afinal se reputava bom nesse serviço. Tinha nascido para ser macho! O tom de voz confirmava-lhe a masculinidade, mas sabia recheiá-la de docura para envolver a parceira nos momentos especiais.

Estou precisando mesmo de um trato. É hora de a onça beber água, registrara decidido. Tentando passar boa impressão, erguera-se com destreza, ereto, bem aprumado e disposto. Era o início da execução do seu plano de caçador experiente.

_ Apôis vamo cabá de chegar, senhorinha! Se achegue pra cá pra me mostrar os perfume!

Sentados no mesmo sofá, um ao lado do outro, podia sentir o cheiro de suor da potranca, o que lhe cutucava as vísceras, o instinto galanteador diante da caça tão perto. Enchera-se de sorrisos. Faltava fazer a pontaria e disparar o tiro certeiro.

_ Senhorinha, quer conhecê a minha casa?

E começaram a excursionar pelos cômodos, com as devidas explicações do anfitrião que se preocupava em disfarçar a valentia do seu desejo.

_ Aqui é a cozinha, onde a mué labuta no preparo dos guisados! E aqui é onde eu guardo o carro! Esse aí é o Jagunço, cachorro trabaiadô e direito! Vigia tudo aqui. Ladrão não entra de jeito nenhum! Mas só come carne, viu!

Passando pelos quartos, Seu Zeca ia descrevendo e contando histórias.
_ Esse quarto está sem dono, por isso serve de despensa, disse ele. Esse outro aqui é onde eu e a patroa dormimos, continuou, prontinho para dar o bote.

E para finalizar a história dessa façanha, completara dizendo:
_ E foi ali mesmo! Dei-lhe uma olhada ligeira, daquelas que fala pelos olho, um abraço apertado, abarcando a sua cintura, aparpando um pouquinho mais pra cima, acompanhado de uns fungado, uns chêro no cangote, assim pros rumo das orelha... Menino, ela se quebrô todinha no meus braço. Perdeu a resistência. Ficou molinha!!! Até parecia que era a primeira vez! E o felizardo fui EU!!! Valeu a pena! Ainda sinto a quentura das suas coxas roliças me abraçando com paixão. Que mué fogosa! Parecia que estava jejuando a vida toda, pra se oferecê pra mim! Nunca vi carinho tão bem feito assim! Parecia labareda subindo de morro acima!

E como ficou depois essa história, perguntei.

_ Ah, isso fica guardado a sete chaves no cofre das lembranças, sô! Mais eu sei que ela gostô e tem saudade. Às vezes passa na rua, dá uma olhada pra cá, oferece os perfume, que nem cheguei a comprar. E para esticar mais a prosa, pede dinheiro emprestado. Eu disfarço, digo que não tenho. Preciso ficá cabreiro! De vez em quando me pego a pensá nela. Uma saudade de não aguentá. Isso me dá um medo danado, uma friagem na barriga, uma agonia nos bofe... Não quero prosa, não, seu menino, porque ela é a MUÉ DO SORDADO. E isso tem gosto de cano de revólver, sô!

Êta Seu Zeca danado!

Uma pessoa incrível!

Hoje, resta apenas a saudade de sua passagem pela vida.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

O seu comentário significa carinho e aprovação. Fico cativada e agradeço. Volte sempre! Genaura Tormin

LEVE, LIVRE & SOLTA!


Sejam bem vindos!
Vocês alegram a minh'alma e meu coração.

Era uma luz no fim do túnel e eu não podia perder.
Era a oportunidade que me batia à porta.
Seria uma Delegada de Polícia, mesmo paraplégica!
Registrei a idéia e parti para o confronto.
Talvez o mais ousado de toda a minha vida.
Era tudo ou NADA!
(Genaura Tormin)


"Sou como a Rocha nua e crua, onde o navio bate e recua na amplidão do espaço a ermo.
Posso cair. Caio!
Mas caio de pé por cima dos meus escombros".
Embora não haja a força motora para manter-me fisicamente ereta, alicerço-me nas asas da CORAGEM, do OTIMISMO e da FÉ.

(Genaura Tormin)