PLANTIO

PLANTIO
PLANTIO
(Genaura Tormin)

Deus,
Senhor dos mares e montes,
Das flores e fontes.
Senhor da vida!
Senhor dos meus versos,
Do meu canto.

A Ti agradeço
A força para a jornada,
A emoção da semeadura,
A alegria da colheita.

Ao celeiro,
Recolho os frutos.
Renovo a fé no trabalho justo,
Na divisão do pão,
. E do amor fraterno.

domingo, 8 de março de 2009

ALMAS GÊMEAS



ALMAS GÊMEAS
(Genaura Tormin)

De quantas existências
Somam o nosso passado, 
Nesse amor cumpliciado
No vagar do tempo?

Já fomos namorados,
Amigos, parceiros, ferrenhos desafetos.
Enfrentamos tantas dificuldades, 
Tantos desafios,
Na busca da eterna felicidade.


Já foste meu pai,
Meu algoz, meu patrão,
Meu capataz,
E até meu irmão.

Em todas as existências
Lá estávamos nós juntinhos,
Aparando arestas,
Consertando falhas,
Assimilando lições
Para assumirmos outras missões.

Já fui tua mãe,
Tua professora,
Tua empregada,
Tua prisioneira...
Já fui tua amante apaixonada.

As experiências foram se somando,
Para nos fazer crescer.
Foste o meu guia,
Pois cega eu já vim um dia.

És meu médico, meu enfermeiro,
Cuidadoso e paciente,
Pois nesta existência,
Aqui cheguei como Deficiente.

Somos almas gêmeas!
Eis-me de novo ao teu lado
Em busca de mais um aprendizado



Um comentário:

  1. Diz Richard Bach: Uma alma gêmea é alguém cujas fechaduras coincidem com nossas chaves e cujas chaves coincidem com nossas fechaduras. Quando nos sentimos seguros a ponto de abrir as fechaduras, surge o nosso eu mais verdadeiro e podemos ser completa e honradamente quem somos. Cada um descobre a melhor parte do outro.
    Concordo plenamente. Tal acontecimento grandioso é quando duas almas gêmeas seguem para um ponto de encontro. Beijos

    ResponderExcluir

O seu comentário significa carinho e aprovação. Fico cativada e agradeço. Volte sempre! Genaura Tormin

LEVE, LIVRE & SOLTA!


Sejam bem vindos!
Vocês alegram a minh'alma e meu coração.

Era uma luz no fim do túnel e eu não podia perder.
Era a oportunidade que me batia à porta.
Seria uma Delegada de Polícia, mesmo paraplégica!
Registrei a idéia e parti para o confronto.
Talvez o mais ousado de toda a minha vida.
Era tudo ou NADA!
(Genaura Tormin)


"Sou como a Rocha nua e crua, onde o navio bate e recua na amplidão do espaço a ermo.
Posso cair. Caio!
Mas caio de pé por cima dos meus escombros".
Embora não haja a força motora para manter-me fisicamente ereta, alicerço-me nas asas da CORAGEM, do OTIMISMO e da FÉ.

(Genaura Tormin)