PLANTIO

PLANTIO
PLANTIO
(Genaura Tormin)

Deus,
Senhor dos mares e montes,
Das flores e fontes.
Senhor da vida!
Senhor dos meus versos,
Do meu canto.

A Ti agradeço
A força para a jornada,
A emoção da semeadura,
A alegria da colheita.

Ao celeiro,
Recolho os frutos.
Renovo a fé no trabalho justo,
Na divisão do pão,
. E do amor fraterno.

quarta-feira, 25 de novembro de 2009

ALICERCES IMPORTANTES


ALICERCES IMPORTANTES
(Genaura Tormin

Ao contrário de muitos outros pacientes, minhas aquisições estagnavam-se, isto é, não possibilitavam o meu caminhar, não ouriçavam os meus nervos esquecidos em algum lugar. Nada de alentador. Nada!

Havia aprendido todos os exercícios e os fazia com ganância. Cheguei a esfolar a pele do cóccix pela prática de duzentos e cinqüenta abdominais ininterruptos.

Lembro-me de que certo dia, quando andávamos pelo pátio do Hospital Sarah Kubitschek, deparamos com uma figura inusitada: uma senhora, possivelmente vítima de grande acidente que, ao andar, bruscamente jogava uma perna para um lado, fazia um rodopiado, esticava o braço em sentido contrário, meneava a cabeça, tempo em que emitia um som gutural.

Na base do pescoço, havia uma abertura com um orifício metálico (traqueostomia). Em uma das mãos, retesada e comprometida, via-se uma tabuleta com o abecedário, o que significava que ela havia, também, perdido a voz. Mesmo assim, andava, locomovia-se sozinha rumo ao ginásio de fisioterapia. Entre suspiros e voz embargada, eu disse ao Alfredo:

— Queria tanto andar, mesmo que o meu caminhar fosse igual ao dela!

Alfredo, comovido, abaixara-se defronte da minha cadeira e, praticamente, fizera-me uma jura de ajuda eterna, uma linda e emocionante declaração de amor. Enchera-me de forças, de energias positivas, de elogios, solidarizando-se com o meu caminhar perdido, afirmando-me que não se anda apenas com os pés.

Dissera-me que o mais perfeito caminhar é executado com o coração, com a alma translúcida e bela que às vezes chega a voar, planar sobre os grandes ideais.

Mesmo entre lágrimas de ambos, eu aceitei, enxuguei o pranto e juntos fomos para o ginásio. Com ele sentia-me segura, protegida. Ele sempre significou o meu chão, o meu equilíbrio.

E agora, muito mais! Significa a minha metade, o meu complemento, a âncora que me alavanca para que eu não me esqueça dos passos, mas veleje o mar bravio da coragem. Sem ele não há unidade. Eu sou parte do todo e o todo está em mim.

Um comentário:

  1. Minha querida amiga

    E o todo que está em você ainda se reparte, sem voltar a ser apenas parte.

    Os inteiros de nossa alma são canteiros na nossa vida, em que as sementes germinam, transformam-se em flores e frutos, que em cada nova estação se repetem, até serem colhidos, deixando-nos a seiva que evapora em eterna energia.

    A saudade do que se foi é a base para o que temos sem sabermos o que será.

    Beijos

    Meu nome hoje é divagação

    ResponderExcluir

O seu comentário significa carinho e aprovação. Fico cativada e agradeço. Volte sempre! Genaura Tormin

LEVE, LIVRE & SOLTA!


Sejam bem vindos!
Vocês alegram a minh'alma e meu coração.

Era uma luz no fim do túnel e eu não podia perder.
Era a oportunidade que me batia à porta.
Seria uma Delegada de Polícia, mesmo paraplégica!
Registrei a idéia e parti para o confronto.
Talvez o mais ousado de toda a minha vida.
Era tudo ou NADA!
(Genaura Tormin)


"Sou como a Rocha nua e crua, onde o navio bate e recua na amplidão do espaço a ermo.
Posso cair. Caio!
Mas caio de pé por cima dos meus escombros".
Embora não haja a força motora para manter-me fisicamente ereta, alicerço-me nas asas da CORAGEM, do OTIMISMO e da FÉ.

(Genaura Tormin)