PLANTIO

PLANTIO
PLANTIO
(Genaura Tormin)

Deus,
Senhor dos mares e montes,
Das flores e fontes.
Senhor da vida!
Senhor dos meus versos,
Do meu canto.

A Ti agradeço
A força para a jornada,
A emoção da semeadura,
A alegria da colheita.

Ao celeiro,
Recolho os frutos.
Renovo a fé no trabalho justo,
Na divisão do pão,
. E do amor fraterno.

domingo, 29 de novembro de 2009

PASSOS VARRIDOS


PASSOS VARRIDOS
(Genaura Tormin)

Senhor dos céus, dos mares e da Terra,
Dá-me um pouco de paz!
Nessa caminhada que tanta dor encerra,
Aquece meu coração que em tristeza jaz.

Aumenta-me a fé, reforça-me a coragem!
Alicerça o meu espírito na sabedoria!
Os passos já não palmilham a rodagem.
Há muito se esqueceram da harmonia.

Os braços trabalhadores quedam-se cansados,
E a vida começa a perder toda aquela magia!
Faltam o calor, o encanto, a força do abraço,
O amor, o afeto e o sorriso farto.

A vereda, antes florida de alamandas,
Enfeita-se hoje de luta, sem lenimento.
O caminho parece ainda tão longo
Aos meus passos varridos pelo tempo.

2 comentários:

  1. Ninguém pode ser maior que a sua própria alegria. Ninguém merece esse seu desfalecimento ou exaurir, porque a vida é teste, é festa de conhecimento, alegria de amor em sentido intenso, união e uniões, força frente a aniquilamentos, fé e coragem todo dia, para quem quiser obter carta de alforria. Por favor reescreva uma poesia, tão perfeita como essa, sob título Tristeza Varrida, por favor, vai!!!

    Abraços

    Márcia Vilarinho

    ResponderExcluir
  2. Lindíssimo! Já o comentei na Casa da Poesia, mas não resisto a dizer que apesar de triste é de uma melodia única.

    Bjs

    Marcia Vilarinho

    ResponderExcluir

O seu comentário significa carinho e aprovação. Fico cativada e agradeço. Volte sempre! Genaura Tormin

LEVE, LIVRE & SOLTA!


Sejam bem vindos!
Vocês alegram a minh'alma e meu coração.

Era uma luz no fim do túnel e eu não podia perder.
Era a oportunidade que me batia à porta.
Seria uma Delegada de Polícia, mesmo paraplégica!
Registrei a idéia e parti para o confronto.
Talvez o mais ousado de toda a minha vida.
Era tudo ou NADA!
(Genaura Tormin)


"Sou como a Rocha nua e crua, onde o navio bate e recua na amplidão do espaço a ermo.
Posso cair. Caio!
Mas caio de pé por cima dos meus escombros".
Embora não haja a força motora para manter-me fisicamente ereta, alicerço-me nas asas da CORAGEM, do OTIMISMO e da FÉ.

(Genaura Tormin)