PLANTIO

PLANTIO
PLANTIO
(Genaura Tormin)

Deus,
Senhor dos mares e montes,
Das flores e fontes.
Senhor da vida!
Senhor dos meus versos,
Do meu canto.

A Ti agradeço
A força para a jornada,
A emoção da semeadura,
A alegria da colheita.

Ao celeiro,
Recolho os frutos.
Renovo a fé no trabalho justo,
Na divisão do pão,
. E do amor fraterno.

quarta-feira, 4 de novembro de 2009

PEDAÇOS DE MIM - Prefácio


Prefácio para o livro
PEDAÇOS DE MIM
(Da poetisa SANDRA L. FÉLIX DE FREITAS)



Ousada e insinuante, feito ave de arribação, a autora envereda pelos veios da poesia, desvestindo desejos e deixando fluir todas as emoções de viver. Escancara o coração, e sem traves, sem tréguas, sem barreiras, aporta o claustro dos sentimentos, do erotismo, da ânsia do prazer e põe-se a tecer a teia de seus versos.

Poemas lindos, sensuais, sugestivos, líricos, marcados por símbolos fortes, dinâmica fluente, sinceridade metafórica. Um varal de versos para todas as predileções. Vislumbram as várias fases da vida, com suas idas e vindas, perdas e conquistas.

Qual borboleta viageira, pega carona no próprio poema e deixa que o sonho flutue alado pela fantasia, pelo encanto, pela magia, alcançando o cume das montanhas, o azul infinito do cosmo, deixando-se ficar no coração de quem a lê.

Carpindo versos, enxugando lágrimas, emendando pedaços, passeia indefesa pelo passado, pelas machucaduras ainda exangues.
Excursionando pelo imaginário, ousa dizer: “ ... Nesse abraçar/Sem braços, nem laços,/ Do amor-imaginado,/Te quero em mim”.
Sem disfarces, aninha-se no colo da poesia para fazer catarse dos dissabores inaudíveis da existência humana.

Embora diga que as palavras morreram-lhe na garganta, sua poesia mostra-se doce, linda, alada: “Hoje minha alma ganhou asas,/Ganhou o espaço,/Atravessou cidades e matas/E voou para seus braços,/Deitou-se no teu abraço,/Buscando seu calor,/E entregou-se ao teu amor”.

Terna e passional, Sandra vai em busca do príncipe encantado, da alma gêmea para construir seu paraíso. “Tuas mãos errantes,/atrevidas... /Acendem a chama do meu desejo/de ter você, sentir seu beijo”.

Além de bela mulher, com sensibilidade exacerbada e uma incansável busca do conhecimento de si mesma, Sandrinha é altruísta, afetiva, solidária, amiga, o que a faz uma cancioneira incondicional do amor, em todos os seus sentidos. Uma poetisa nata.

A simpatia à flor da pele, a paixão pela vida, pelos amores, voejam no dorso de asas acrobáticas para colorir os momentos desbotados e recolher os pedaços deixados pela estrada, tentando florir as suas margens para alegrar os caminheiros.

Ler poesia significa azeitar a alma. “Pedaços de mim” dá-se a esse papel com galhardia. Os poemas cativam pela multiplicidade de percepções que apascentam o coração. Desfilam faceiros pelas mais diversas circunstâncias, ensinando, acalentando ou envolvendo o leitor em fímbrias de ternura, aumentando-lhe o prazer de viver e a beleza de amar e ser amado. Belo livro! Parabéns, poeta!



Genaura Tormin
Escritora

Um comentário:

  1. Os pedaços de nós próprios são poeiras das estrelas escritos em poesia por nossa mais profunda emoção.

    Canta o prefácio escrito, duplamente, a poesia.

    Abraços

    ResponderExcluir

O seu comentário significa carinho e aprovação. Fico cativada e agradeço. Volte sempre! Genaura Tormin

LEVE, LIVRE & SOLTA!


Sejam bem vindos!
Vocês alegram a minh'alma e meu coração.

Era uma luz no fim do túnel e eu não podia perder.
Era a oportunidade que me batia à porta.
Seria uma Delegada de Polícia, mesmo paraplégica!
Registrei a idéia e parti para o confronto.
Talvez o mais ousado de toda a minha vida.
Era tudo ou NADA!
(Genaura Tormin)


"Sou como a Rocha nua e crua, onde o navio bate e recua na amplidão do espaço a ermo.
Posso cair. Caio!
Mas caio de pé por cima dos meus escombros".
Embora não haja a força motora para manter-me fisicamente ereta, alicerço-me nas asas da CORAGEM, do OTIMISMO e da FÉ.

(Genaura Tormin)