PLANTIO

PLANTIO
PLANTIO
(Genaura Tormin)

Deus,
Senhor dos mares e montes,
Das flores e fontes.
Senhor da vida!
Senhor dos meus versos,
Do meu canto.

A Ti agradeço
A força para a jornada,
A emoção da semeadura,
A alegria da colheita.

Ao celeiro,
Recolho os frutos.
Renovo a fé no trabalho justo,
Na divisão do pão,
. E do amor fraterno.

quarta-feira, 18 de novembro de 2009

O ESPIRITISMO


O ESPIRITISMO
(Capítulo I, 5 a 7)


É um prazer encontrar-me novamente nesta Casa Espírita!!
Saúdo a todos, incluindo os espíritos desencarnados
aqui presentes. Que a paz esteja sempre entre nós!

Jesus querido, pai, amigo e mestre, que tuas vibrações
de amor possam ser sentidas em nossos corações.

Pedindo a intercessão dos espíritos protetores
para mais uma vez ajudar-me nesta tarefa,vamos,
numa só voz, reafirmar o nosso compromisso de amor:

"Irmãos de toda Terra, amai-vos uns aos outros!!!
(3 vezes)

Falarei sobre o Espiritismo, tema do capítulo I,
itens 5 a 7 do Evangelho segundo o Espiritismo.

O espiritismo veio revelar aos homens,
por meio de provas irrecusáveis, a existência
e a natureza do mundo espiritual, e as
suas relações com o mundo corporal.

As manifestações dos Espíritos sempre existiram,
em países e épocas diferentes.

Um dos maiores eventos da história do mundo é
o espiritismo, que teve seu início há mais de um século,
em 1848, na vila de Hydesville, Nova York, EUA, quando
ocorreram manifestações mediúnicas mais significativas,
devidamente comprovadas na Idade Moderna.

A família Fox, (composta de pai, mãe e duas filhas, Kate e Margareth),
passou a residir numa casa alugada na vila, onde começou
a ouvir ruídos e batidas sem origens.
Naquele mesmo ano descobriu que tais batidas
eram produzidas pelo espírito de um mascate que naquela
casa havia sido assassinado e "enterrado".
Foi comprovado o fato, anos depois,
com o encontro da ossada do mascate enterrada ali.

Foi na França que os fenômenos mediúnicos
alcançaram maior expressão, através das MESAS GIRANTES:
que eram pequenas mesas, ao redor das quais
sentavam-se as pessoas, a fim de que elas lhes respondessem perguntas,
através de pancadas, o que para elas significavam diversão.

Um professor francês, Hippolyte Léon Denizard Rivail,
qualificado, moral e intelectualmente, viu nesse
fenômeno mais do que uma diversão e resolveu estudá-lo.

Deveria haver uma lei física por trás de tudo aquilo. Em 1855, depois de ter feito um exaustivo estudo comparativo das comunicações recebidas por meio de médios conceituados, em diversos locais, Hippolyte adotou o pseudônimo de Allan Kardec e
fundou a DOUTRINA ESPÍRITA, publicando "O Livro dos Espíritos", que é o núcleo central dessa doutrina.

No Brasil, foi em 1865, que realmente oficializou-se o Espiritismo, com a fundação do 1º Centro Espírita, na cidade de Salvador-BA.
No ano de 1875, o Livro dos Espíritos foi traduzido para o português, aumentando, sem dúvida, os seus simpatizantes.

O Espiritismo é uma lei universal e, sem ela, a existência terrena representaria desordem e injustiça. Dela, promana a explicação de todas as aparentes anomalias
da vida humana, de todas as desigualdades intelectuais, morais e sociais, facultando ao homem saber donde vem, para onde vai, para que fim se acha na Terra e por que aqui sofre.

A doutrina espírita tem a finalidade de nos despertar para as nossas responsabilidades enquanto no corpo físico e depois dele, pois o espírito é eterno.
Nenhuma ovelha é abandonada à margem da estrada.

Através do Espiritismo chegou à Terra uma enorme e revolucionária novidade sobre fé, e uma infalível vacina contra o fanatismo. A fé verdadeira é aquela que pode defrontar-se com a razão em qualquer tempo. A fé cega nos anula a liberdade de pensar.

"O Espiritismo é uma filosofia de bases científicas e consequências éticas que trata do mundo dos espíritos e sua relação com o mundo corporal". É a essas relações que o Cristo fez referência em muitas circunstâncias, e é por isso que muitas coisas que ele disse permaneceram sem entendimento ou foram falsamente interpretadas.
Pode-se dizer que é o Consolador prometido.

A doutrina espírita acredita na sobrevivência do espírito após a morte do corpo físico. As relações dos Espíritos com os homens são constantes, e sempre
existiram. Os bons Espíritos nos atraem para o bem, nos sustentam nas provas da vida e nos ajudam a suportá-las com coragem e resignação.
Os imperfeitos nos impelem para o mal.

Alicerça-se o espiritismo em 3 aspectos importantes:
o filosófico (que trabalha com o pensamento e as idéias),
o científico (que trabalha com a experimentação e a prova)
e o religioso ( que engloba os ensinamentos morais e a fé raciocinada).
Tem o dom de unir os povos em um ideal de fraternidade
preconizado por Jesus de Nazaré, permitindo que
o homem se encontre com o próprio Criador.

O próprio Kardec disse: "fora da caridade não há salvação."
Por isso ela é a nossa maior bandeira.

Com o Espiritismo chegou à Terra o tratamento da problemática obsessiva, que consiste na ajuda e na orientação tanto de obsediados como de obsessores.

Antes do Espiritismo, a humanidade era completamente ignorante a respeito dos fenômenos e fatos "paranormais", principalmente os mediúnicos.

Naquela época, muitos ainda falavam de mistérios,
fantasmas, e "fenômenos sobrenaturais".

Cinco princípios básicos regem o Espiritismo,
de onde procedem todas as suas práticas:

1 - A existência do Espírito e sua sobrevivência após a morte.
O Novo Testamento retrata a vida, obra e ensinamentos
do Mestre Jesus. Ele veio mostrar que a morte não existe
e que a alma sobrevive ao corpo carnal.

2 - A reencarnação.
Hoje, não há mais dúvidas sobre a reencarnação. Ao longo
de diversas vidas sucessivas o ser humano passa por
experiências que amoldam seu caráter, rumo à perfeição.

Cada nova existência, em ambiente e fatores diferentes,
despertam a sua consciência para o amor universal.
Somos fruto de nós mesmos, com nossos pensamentos
e ações tendenciosos ao bem ou ao mal, que cedo ou tarde
intercederão em nossa condição física e ditará as
contingências sociais que servirão melhor ao nosso aprendizado.

3 - A lei de causa e efeito.
"Então Jesus disse-lhe: Enfia no seu lugar a tua espada;
porque todos que lançarem mão da espada à espada morrerão" - (Mateus 26.52).
"... tudo que o homem semear, isso também ceifará" - (Gálatas 6.7).
O homem tem o livre-arbítrio para agir, mas responde pelas conseqüências de suas ações.

4 - A comunicação entre o mundo material e espiritual.
Sônia Rinaldi, coordenadora da Associação Nacional de Transcomunicação,
em entrevista ao "Panorama Espírita" disse que foi comprovado,
por meio de Laudo Científico, que a voz de um falecido
correspondia à sua voz quando vivo.

Dezenas de cálculos levaram à identificação
das vozes (morto x vivo). As ferramentas da Ciência são universais e nesse caso foi
comprovado pela primeira vez na História, matematicamente, a sobrevivência após a morte. A matemática não é discutível.Simplesmente é. - Entrevista com Sônia Rinaldi.

A transcomunicação instrumental, que é a oportunidade de que a Espiritualidade Maior está se valendo para trazer aos Homens a informação, de forma bem concreta, de que o Espírito sobrevive a morte do corpo físico.
Isso tem enormes benefícios. Por exemplo, o consolo.

Quantos pais que perderam seus filhos já conseguem aplacar a dor da saudade por ouvi-los novamente? Só de saber que o filho falecido VIVE no outro lado,
é um conforto profundo, pois se adquire a certeza de que um dia irão reencontrá-lo.
Isso, com certeza, ameniza a dor da separação.

5 - A evolução progressiva dos Espíritos.
Somos todos seres atrelados às leis divinas que regem o universo,
quer acreditemos ou não. Estamos aqui para evoluir.

Toda a prática espírita é gratuita, dentro do
princípio do Evangelho: "Dai de graça o que de graça recebestes".

A prática espírita é realizada sem nenhum culto exterior, dentro do princípio cristão de que Deus deve ser adorado em espírito e verdade.

Por isso o Espiritismo não tem corpo sacerdotal e não adota e nem usa em suas reuniões e em suas práticas: paramentos, incenso, altares, imagens, andores, velas,procissões, talismãs, amuletos, sacramentos, concessões de indulgência, horóscopos, cartomancia, pirâmides, cristais, búzios, rituais,
ou quaisquer outras formas de culto exterior.

O objetivo da Doutrina Espírita é o de explicar
os fenômenos naturais que envolvem o mundo espiritual e
o mundo material; estudar e analisar, filosófica e moralmente,
as conseqüências deste relacionamento e, finalmente,
procurar instruir as pessoas que demonstram
interesse em compreender o universo na sua Doutrina.

O Evangelho é um modo de vida, motivo de ação regeneradora,
pois define que tudo o que recebemos hoje, é conseqüência
de nossos atos no passado, e que tudo o que iremos receber no futuro,
é conseqüência de nossos atos de agora.

A moral do Cristo, contida no Evangelho, é o roteiro para a evolução segura de todos os homens, e a sua prática é a solução para todos os problemas humanos.
É o objetivo a ser atingido pela Humanidade.

Ao contrário de todas as demais doutrinas religiosas, o Espiritismo não tem “escrituras definitivas” impostas como verdadeiras e inabaláveis aos seus fiéis. Pelo contrário, a base doutrinária do Espiritismo foi claramente estabelecida
por Kardec e pelos milhares de espíritos que o assessoraram, mas ele mesmo esclareceu que, na medida em que aqueles ensinamentos fossem compreendidos e aceitos,
gradativamente novas revelações seriam feitas, como já foram e são feitas, e como continuarão a ser feitas.

Pode ser facilmente comprovado que o Espiritismo é uma
doutrina cristã, racional, lógica, lúcida e progressista.
Reconhece-se o verdadeiro espírita pela sua transformação
moral e pelos esforços que faz em dominar suas más inclinações.
É a reforma íntima, com vistas ao aperfeiçoamento moral.

O Espírito da Verdade preconizou: “Espíritas!
Amai-vos; este é o primeiro ensinamento;
instrui-vos, este é o segundo”.
É na combinação do amor e do conhecimento que conseguiremos a evolução.
E o livro espírita é ferramenta indispensável.

Portanto eis as cinco obras básicas da Codificação:
- O LIVRO DOS ESPÍRITOS (1857). Obra de caráter filosófico.
É considerado a espinha dorsal do Espiritismo, já que todas as outras obras partem de seus princípios.

- O LIVRO DOS MÉDIUNS (1861). Demonstra as conseqüências morais e filosóficas decorrentes das relações entre o mundo material e espiritual.

- O EVANGELHO SEGUNDO O ESPIRITISMO (1864).
Parte religiosa e moral da Doutrina Espírita, onde muitas "instruções" são passadas à Humanidade por um grupo de espíritos superiores, sob a assinatura de "Espírito da Verdade"

- O CÉU E O INFERNO (1865). Apresenta a verdadeira face do desejado Céu, do temido Inferno, como também do chamado Purgatório. Põe fim às penas eternas, demonstrando que tudo no universo evolui.

- A GÊNESE (1868). Mostra como foi criado o mundo, como apareceram as criaturas e como é o Universo. É a parte científica da Doutrina. Explica a Criação, colocando a Ciência e a Religião face a face.

A Doutrina espírita é o maior monumento de sabedoria para a Humanidade, uma vez que desvenda os grandes mistérios da vida, do destino e da dor, pela compreensão racional e positiva das múltiplas reencarnações.

O Espiritismo respeita todas as religiões, valoriza todos os esforços para a prática do bem, trabalha pela confraternização entre todos os homens independentemente de sua raça, cor, nacionalidade, crença ou nível cultural e social, e reconhece que
"o verdadeiro homem de bem é o que cumpre a lei de justiça, de amor e de caridade, na sua maior pureza".

O avançado da hora se registra.
Caminhamos para o término. Vamos arrematar com uma reflexão sobre nossa caminhada nesta existência.

É muito importante a consciência de que não estamos aqui por acaso.
A responsabilidade da caminhada é unicamente nossa e não podemos fraquejar.

Somos seres gregários, cabendo-nos a compaixão pelo próximo, pelo menos o mais próximo.

Assim, é sempre bom reafirmarmos os nossos propósitos de fé nos valores e no exercício do amor.

“Sei que toda caminhada tem um destino e uma direção, por isso, devo medir meus passos, prestar atenção no que faço e no que fazem os que por mim também passam, ou pelos quais, passo eu.

Que eu não me iluda com o ânimo e o vigor dos primeiros trechos, porque chegará o dia em que os pés não terão tanta força e se ferirão no caminho e se cansarão mais cedo. Todavia, quando o cansaço houver, que eu não me desespere e acredite que ainda terei forças para continuar, principalmente quando houver quem me auxilie.

É oportuno que, em meus sorrisos, eu me lembre de que existem os que choram. Que, assim, meu riso não ofenda a mágoa dos que sofrem.

Quando chegar a minha vez de chorar, que eu não me deixe dominar pela desesperança, mas entenda o sentido do sofrimento que me nivela, que me iguala, que torna todos os homens iguais.

Quando eu tiver tudo: farnel e coragem, água no cantil e ânimo no coração, bota nos pés e chapéu na cabeça, razão para não temer o vento e o frio, a chuva e o tempo,
que eu não me considere melhor do que aqueles que ficaram para trás,porque pode vir o dia em que nada mais terei para a jornada. E aqueles que ultrapassei me alcançarão no caminho. Poderão, também, fazer como eu fiz, e nada de fato
fazerem por mim, que ficarei sem concluir o meu trajeto.

Quando o dia brilhar, que eu tenha vontade de ver a noite, em que a jornada será mais fácil e mais amena.

Quando for noite e a escuridão tornar mais difícil a chegada, que eu saiba esperar o dia como aurora, o calor como bênção.

Que eu perceba que a caminhada só poderá ser mais rápida, mas muito vazia.

Quando eu tiver sede, que encontre a fonte no caminho.

Quando eu me perder, que ache a indicação, a seta, a direção, a estrela-guia.
Que eu não siga os que se desviam, mas ninguém se desvie seguindo os meus passos.

Que a pressa em chegar não me afaste da alegria de ver a simplicidade das flores à beira da estrada.

Que eu não perturbe os passos de ninguém.

Que eu entenda que seguir faz bem, mas, às vezes, é preciso ter-se a bravura de recomeçar, voltar ao ponto de partida, tomar outra direção.

Que eu não caminhe sem rumo.

Que eu não me perca nas encruzilhadas, mas não tema os que assaltam e os que embuçam.

Que eu vá aonde devo ir e, se eu cair no meio do caminho, que fique a lembrança de minha queda para impedir que outros caiam no mesmo abismo.

Que eu chegue, sim, mas, ainda mais importante, que eu faça chegar quem me perguntar, quem me pedir conselho, e acima de tudo, me seguir, confiando em mim.”

O amor produz sempre um efeito positivo em quem o recebe e de maneira mais intensa em quem o pratica.. Ele é e será a melhor opção.

Esperando ter contribuído de alguma forma,
agradeço a atenção e despeço-me pedindo ao Mestre Jesus que nos abençoe,
não só a nós deste recinto, mas a todos os habitantes do Planeta,
principalmente aos que estiverem em hospitais, em abrigos,
nos manicômios, nas penitenciarias, jogados pelas ruas, em conflitos...
Abençoa, também, Mestre amado, aqueles
que ainda não conseguiram te encontrar.

Obrigada!

Palestra proferida por Genaura Tormin no Centro Espírita. Jason Cunha,
em 05.05.2008, em Goiânia-GO

Nenhum comentário:

Postar um comentário

O seu comentário significa carinho e aprovação. Fico cativada e agradeço. Volte sempre! Genaura Tormin

LEVE, LIVRE & SOLTA!


Sejam bem vindos!
Vocês alegram a minh'alma e meu coração.

Era uma luz no fim do túnel e eu não podia perder.
Era a oportunidade que me batia à porta.
Seria uma Delegada de Polícia, mesmo paraplégica!
Registrei a idéia e parti para o confronto.
Talvez o mais ousado de toda a minha vida.
Era tudo ou NADA!
(Genaura Tormin)


"Sou como a Rocha nua e crua, onde o navio bate e recua na amplidão do espaço a ermo.
Posso cair. Caio!
Mas caio de pé por cima dos meus escombros".
Embora não haja a força motora para manter-me fisicamente ereta, alicerço-me nas asas da CORAGEM, do OTIMISMO e da FÉ.

(Genaura Tormin)