PLANTIO

PLANTIO
PLANTIO
(Genaura Tormin)

Deus,
Senhor dos mares e montes,
Das flores e fontes.
Senhor da vida!
Senhor dos meus versos,
Do meu canto.

A Ti agradeço
A força para a jornada,
A emoção da semeadura,
A alegria da colheita.

Ao celeiro,
Recolho os frutos.
Renovo a fé no trabalho justo,
Na divisão do pão,
. E do amor fraterno.

sábado, 11 de fevereiro de 2012

UM OUTRO NINHO


UM OUTRO NINHO
 (Genaura Tormin)

Deponho as armas!
O trabalho foi árduo!
O jugo ainda oprime.
No alforje, nada resta.
Tudo é solidão
A sangrar saudades.

Desse porão,
Tento perder as chaves,
Mas dele se esgueiram
Todos os meus fantasmas.

Rotas,  estão as vestes,
Andrajos que aqui deixarei. 
A alma agora,
Exibe-se nua,
Sem peias nem amarras.

No silêncio, 
Ouço o sussurrar do vento 
A dizer-me baixinho:
Há, ainda, um outro ninho!
Venha comigo!
Vamos voar,  subir...
Subir é o caminho!

E eu vou  seguir a voz do vento!
Partir sem deixar lamentos,
Alcançar o topo do tempo,
Vestir outro corpo e voltar aqui!

Um comentário:

  1. Lindíssimo, amiga.
    Retratastes neste poema os momentos de um espírito a caminho de seu retorno ao Grande Lar. Comovi-me muito, ao lê-lo. Vejo, lendo sua poesia, um Emissário Divino a adentrar em nossa atmosfera, em alva vestimenta, a buscar a alma que se entrega com deleite. Depois de algum tempo, traz à luz deste mundo, o mesmo ser que ora retorna, na reencarnação.
    Encantei-me! Adorei!
    Um beijo muito especial em seu coração.
    Maria Paraguassu.

    ResponderExcluir

O seu comentário significa carinho e aprovação. Fico cativada e agradeço. Volte sempre! Genaura Tormin

LEVE, LIVRE & SOLTA!


Sejam bem vindos!
Vocês alegram a minh'alma e meu coração.

Era uma luz no fim do túnel e eu não podia perder.
Era a oportunidade que me batia à porta.
Seria uma Delegada de Polícia, mesmo paraplégica!
Registrei a idéia e parti para o confronto.
Talvez o mais ousado de toda a minha vida.
Era tudo ou NADA!
(Genaura Tormin)


"Sou como a Rocha nua e crua, onde o navio bate e recua na amplidão do espaço a ermo.
Posso cair. Caio!
Mas caio de pé por cima dos meus escombros".
Embora não haja a força motora para manter-me fisicamente ereta, alicerço-me nas asas da CORAGEM, do OTIMISMO e da FÉ.

(Genaura Tormin)