PLANTIO

PLANTIO
PLANTIO
(Genaura Tormin)

Deus,
Senhor dos mares e montes,
Das flores e fontes.
Senhor da vida!
Senhor dos meus versos,
Do meu canto.

A Ti agradeço
A força para a jornada,
A emoção da semeadura,
A alegria da colheita.

Ao celeiro,
Recolho os frutos.
Renovo a fé no trabalho justo,
Na divisão do pão,
. E do amor fraterno.

quinta-feira, 2 de fevereiro de 2012

INEXPLICÁVEL


INEXPLICÁVEL
(Genaura Tormin)

Poesia não se faz!
Ela brota,
Feito as lágrimas,
O amor,
A água que mina da pedra
Ou o lírio
Que nasce no pântano.

Ela é dom.
É inexplicável.
Dizem que o poeta é louco,
Mas o seu escrito é santo.

Ele cria fantasias,
Ouriça sentimentos,
Caminha com os astros
E faz morada nas estrelas.

Eu gosto de ser assim.
No esconderijo de minha fantasia
Versejo todas as linguagens,
Vou a todas as paragens
E guardo a emoção
De todas as imagens,
Pois o coração não tem porteiras
Nem cárceres.

2 comentários:

  1. Olá minha querida poetisa,
    Suas obras remetem à alma alva e pura de quem as criou. Versos que trazem lindos sentimentos à tona num mundo tão real e, ao mesmo tempo, fascinante e mágico. Elas rompem as cortinas do tempo, voam por entre as nuvens do céu e pairam, lá no alto, no infinito azul do Universo.
    Honra-me ser sua amiga. Emociona-me saber que andas através de suas poesias, a galgar espaços
    que, talvez nunca alcançarias, se pudesses andar.
    Meu carinhoso beijo em teu coração.
    Maria Paraguassu.

    ResponderExcluir
  2. A poesia tem vida própria. Nasce dentro da nossa sensibilidade e exige ser revelada.
    Grande abraço!

    ResponderExcluir

O seu comentário significa carinho e aprovação. Fico cativada e agradeço. Volte sempre! Genaura Tormin

LEVE, LIVRE & SOLTA!


Sejam bem vindos!
Vocês alegram a minh'alma e meu coração.

Era uma luz no fim do túnel e eu não podia perder.
Era a oportunidade que me batia à porta.
Seria uma Delegada de Polícia, mesmo paraplégica!
Registrei a idéia e parti para o confronto.
Talvez o mais ousado de toda a minha vida.
Era tudo ou NADA!
(Genaura Tormin)


"Sou como a Rocha nua e crua, onde o navio bate e recua na amplidão do espaço a ermo.
Posso cair. Caio!
Mas caio de pé por cima dos meus escombros".
Embora não haja a força motora para manter-me fisicamente ereta, alicerço-me nas asas da CORAGEM, do OTIMISMO e da FÉ.

(Genaura Tormin)