PLANTIO

PLANTIO
PLANTIO
(Genaura Tormin)

Deus,
Senhor dos mares e montes,
Das flores e fontes.
Senhor da vida!
Senhor dos meus versos,
Do meu canto.

A Ti agradeço
A força para a jornada,
A emoção da semeadura,
A alegria da colheita.

Ao celeiro,
Recolho os frutos.
Renovo a fé no trabalho justo,
Na divisão do pão,
. E do amor fraterno.

sábado, 14 de janeiro de 2012

FUI FELIZ


FUI FELIZ
(Genaura Tormin)

Imagens guardadas,
Perpetuadas em fotografias.
Histórias de uma vida!
Registros já amarelados,
De lembranças vividas.

Amores, sucessos,
Dificuldades e procelas,
Marcos construtores,
Que me abriram tantas cancelas.

De muitos papéis fui atriz.
E se tivesse que partir agora,
Não lamentaria nada que fiz.
Porque, simplesmente,
Fui feliz!

3 comentários:

  1. Querida amiga,
    Essência de seus dias de lutas e provas dolorosas, esse poema é especial e lindo, assim como você.
    Nele transcende, também, a sua espiritualidade e seu grande poder de fé e esperança.
    Ao lê-lo, emocionei-me. Primeiro, por já conhecer sua história de vida e depois, por vê-la como alguém que sabe administrar essa constante missão com muita coragem e força. Você, como já disse outras tantas vezes, é realmente uma guerreira.
    Com um carinhoso beijo em seu coração.
    Maria Paraguassu.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Maria, querida!
      Obrigada pelo comentário. Vc é um espírito translúcido e belo em trabalho por aqui. Foi um prêmio havê-lá encontrado nesta existência!
      Beijos da Genaura Tormin

      Excluir

O seu comentário significa carinho e aprovação. Fico cativada e agradeço. Volte sempre! Genaura Tormin

LEVE, LIVRE & SOLTA!


Sejam bem vindos!
Vocês alegram a minh'alma e meu coração.

Era uma luz no fim do túnel e eu não podia perder.
Era a oportunidade que me batia à porta.
Seria uma Delegada de Polícia, mesmo paraplégica!
Registrei a idéia e parti para o confronto.
Talvez o mais ousado de toda a minha vida.
Era tudo ou NADA!
(Genaura Tormin)


"Sou como a Rocha nua e crua, onde o navio bate e recua na amplidão do espaço a ermo.
Posso cair. Caio!
Mas caio de pé por cima dos meus escombros".
Embora não haja a força motora para manter-me fisicamente ereta, alicerço-me nas asas da CORAGEM, do OTIMISMO e da FÉ.

(Genaura Tormin)