PLANTIO

PLANTIO
PLANTIO
(Genaura Tormin)

Deus,
Senhor dos mares e montes,
Das flores e fontes.
Senhor da vida!
Senhor dos meus versos,
Do meu canto.

A Ti agradeço
A força para a jornada,
A emoção da semeadura,
A alegria da colheita.

Ao celeiro,
Recolho os frutos.
Renovo a fé no trabalho justo,
Na divisão do pão,
. E do amor fraterno.

domingo, 29 de janeiro de 2012

ASAS DE CERA


ASAS DE CERA
(Genaura Tormin)

Assim foi embora 
O meu último sonho de andar! 
Esgazeou-se na amplidão,
Escondeu-se entre as nuvens,
Derramou-se em lágrimas 
Ante às conjeturas do nada. 

Mesmo desafiando, 
Como Ícaro, 
Voei em direção ao sol,
Sem perceber 
Que as asas eram de cera. 

Eu não podia mais voar!
O sol derretera-me as asas,
E o sonho acordou sozinho,
De olhos vermelhos,
A procurar de novo
Outro jeito de ser feliz. 
Afinal sonhar é preciso,
E a vida tem que continuar!

Um comentário:

  1. Sim, a vida sempre segue em frente. E se já com as asas não podemos voar, voaremos então com o coração, com a força do nosso espírito, com o nosso ser. E o seu, sem dúvida, Genaura querida, a nós ilumina e nos enche de amor!! Um grande beijo no seu coração, boa noite ;)

    ResponderExcluir

O seu comentário significa carinho e aprovação. Fico cativada e agradeço. Volte sempre! Genaura Tormin

LEVE, LIVRE & SOLTA!


Sejam bem vindos!
Vocês alegram a minh'alma e meu coração.

Era uma luz no fim do túnel e eu não podia perder.
Era a oportunidade que me batia à porta.
Seria uma Delegada de Polícia, mesmo paraplégica!
Registrei a idéia e parti para o confronto.
Talvez o mais ousado de toda a minha vida.
Era tudo ou NADA!
(Genaura Tormin)


"Sou como a Rocha nua e crua, onde o navio bate e recua na amplidão do espaço a ermo.
Posso cair. Caio!
Mas caio de pé por cima dos meus escombros".
Embora não haja a força motora para manter-me fisicamente ereta, alicerço-me nas asas da CORAGEM, do OTIMISMO e da FÉ.

(Genaura Tormin)