PLANTIO

PLANTIO
PLANTIO
(Genaura Tormin)

Deus,
Senhor dos mares e montes,
Das flores e fontes.
Senhor da vida!
Senhor dos meus versos,
Do meu canto.

A Ti agradeço
A força para a jornada,
A emoção da semeadura,
A alegria da colheita.

Ao celeiro,
Recolho os frutos.
Renovo a fé no trabalho justo,
Na divisão do pão,
. E do amor fraterno.

domingo, 25 de dezembro de 2011

JÁ É NATAL!



JÁ É NATAL!
(Genaura Tormin)

Meu Deus, já é Natal!
Volto no tempo, sinto saudades!
Os filhos pequenos, as novidades,
Quanta guloseima, os  presentes...

A alegria da gente!
Uma árvore cheia de cartõezinhos!
Minha mãe, toda contente!
Quantos abraços, beijos e carinhos!

As crianças cresceram, mamãe foi para o céu.
Tudo mudou, voou  nas asas do vento,
Versejado agora em forma de lamento.

Viver é isso: plantar sementes!
Acalentar as crias com a seiva do próprio ser,
Deixá-las partir e ficar contente.

FELIZ NATAL!

terça-feira, 20 de dezembro de 2011

FELIZ NATAL E PRÓSPERO ANO NOVO!



FELIZ NATAL E PRÓSPERO ANO NOVO!
(Genaura Tormin)

Mais um ano a juntar-se à história de nossas vidas!

Muitos acertos, muitos encontros, desencontros, lágrimas e sorrisos. Muitas experiências, conquistas, sucessos, amores que nos fizeram felizes. Muito aprendizado com as dificuldades que nos fizeram crescer! Muito ensinamento com as matérias benfazejas que tivemos a oportunidade de ler.

Se choramos, não importa! As lágrimas nos conduziram na busca de melhores caminhos. O sofrimento é sempre o condutor, o gestor de novos e profícuos passos. Resta-nos sempre AGRADECER.

A vida nos deixa sempre legados de dor e de alegria, tão indispensáveis à nossa evolução enquanto caminheiros desta estrada, além de melhorar a bagagem que aqui estamos a coletar.

É hora de reflexão! De balanço dos défices e créditos. É hora de apararmos arestas e agendar um porvir melhor. Que nesse Ano que se avizinha, possamos servir mais, amar mais, compartilhando o aconchego, o afeto, a poesia, na construção da paz.

Que o amor seja a palavra de ordem para amainar a dor, a droga, a corrupção, a fome, a violência ...

Que o destino da nação siga altaneiro rumo ao bem, gerido pela busca da paz. Como estamos precisando de PAZ!

É preciso inovar sempre! Eleger a bondade e deixar que o amor fale por nós. O resto será consequencia.

Agradeço o carinho de cada leitor que, no decorrer deste ano, aqui me brindou com a presença, valorizando os meus textos, incentivando-me na criação de outros mais. Que eles signifiquem sempre um plantio no compartilhamento do amor, acalentando a alma e o coração de quem os lê.

Agradeço, igualmente, pelos comentários deixados. São essas menções de carinho que me renovam a fé, a força e a vontade de viver. Vocês serão sempre o maior motivo que me leva a carpir versos, a galopar no dorso da poesia, que me dá tanta alegria, na tentativa de me construir melhor a cada dia.

Desejo que o ano de 2012 seja de muita paz, muitas conquistas no bem! Que a poesia se faça presente para azeitar a alma, acalentar os momentos desbotados que a vida nos oferece.

E, principalmente, que cada poeta use a sua voz, o seu espaço, o seu versejar, no exercício da função social, na incansável tentativa de melhorar o porvir.

FELIZ NATAL E PRÓSPERO ANO NOVO!!!!

sexta-feira, 16 de dezembro de 2011

ABRACE-ME!


ABRACE-ME!
(Genaura Tormin)

É agora,
Quando menos mereço,
Que preciso desse silêncio,
Desse querer cumpliciado
Para secar-me o pranto,
Abrandar-me as falhas.

Silêncio é prece,
É carinho dividido.
É o amor que exalta,
Que perdoa no gesto do sorriso,
Nos braços que amparam...
É disso que preciso.

Significa grandeza,
Espírito evoluído.
Não me deixe sangrar,
Não me deixe sofrer!
Tenho tantas feridas!
Muitas, ainda exangues
Ao escárnio da vida.

quarta-feira, 14 de dezembro de 2011

SOLDADO DE MINHA BATALHA


SOLDADO DE MINHA BATALHA
(Genaura Tormin)

De repente
Tingiu-me a alma
Um sentimento de ternura,
De agradecimento...
De felicidade!

Quero rezar!
Quero agradecer
Às dificuldades,
Que me fazem forte,
Aos amores,
Que me fazem terna,
Aos desafios,
Que me tornam soldado
De minha própria batalha.

E no tanger do existir
Quero sentir,
Quero ser,
Quero ir
Aonde os versos me levarem.

segunda-feira, 12 de dezembro de 2011

A VIDA É UM ARSENAL DE RIMAS


A VIDA É UM ARSENAL DE RIMAS
(GenauraTormin)

Em silêncio,
Viajo pelos caminhos do tempo.
Chapéu na cabeça e água no cantil,
Enfrento as intempéries
Do vento, do frio...

O coração segue contente!
A fé é o escudo, a coragem o guia.
A brisa me acaricia
Pelas manhãs da existência.

Prenhe de todas as idades,
Cultivo um coração de menina.
Encho-me de magia,
Faço poesia.

Galopo no dorso da fantasia.
Junto-me ao gorjeio da passarinhada...
Meu canto acorda madrugadas.
Ainda sou uma ave das campinas.
A vida é um arsenal de rimas.

sábado, 10 de dezembro de 2011

O HOMEM É AQUILO QUE PENSA


O HOMEM É AQUILO QUE PENSA
(Genaura Tormin)

Por isso se desejamos fazer mudanças em nossas vidas, comecemos mudando os nossos pensamentos!

Viver com confiança e otimismo é abrir as portas para a paz e a felicidade. É investir no "eu interior".

O segredo é mesmo vigiar os pensamentos, mantendo-os numa faixa elevada. Exercer o ofício de jardinagem, ajeitando a vibração mental como se fosse um jardim florido e perfumado. Separar o joio do trigo. Assumir as responsabilidades, tentando fazer o melhor perante a vida e perante Deus que nos espera para outra empreitada. E que essa seja melhor, construída da bagagem que hoje estamos a coletar aqui.

Chega um momento em que você fica tão feliz, tão feliz, inundado de paz, e não sabe o porquê. É que você mudou a sua maneira de pensar.
Quando nos sentirmos em paz com a nossa consciência, alegres e felizes, todas as outras coisas convergirão para o nosso bem. Estaremos começando a ser vencedores. Por isso eu desejo:

Que o coração nunca seja agasalho para as coisas espúrias...

Que as intempéries do caminho signifiquem lições de vida, degraus para o progresso, setas indicadoras para o bem.

Que floresça a pureza da criança interior que tanto tem a nos ensinar.

Que o sorriso seja constante, espontâneo, verdadeiro, uma prece que inebria, uma canção que consola... O sorriso é prece. É Deus dentro da gente!

Que a chuva seja o bálsamo para aliviar o pranto, curar as dores, cicatrizar as feridas.

Que os amores contenham a magia, o encanto em cada encontro, o beijo da alegria.

Que a cada amanhecer os olhos possam mirar a vida, dispostos a enxergarem o melhor de cada um e, além de tudo, a coragem, a bravura para as boas aventuras.

Que os dias sejam azeitados pela poesia, propiciando que a alma possa alar voos na alegria de viver, crescer e vencer.

Que em cada contato, em cada diálogo, possas deixar marcas benfazejas inesquecíveis.

Que na solidão e no cansaço, lembra-te de  que tudo passa, tudo se transforma. Haverá sempre um outro dia, uma outra oportunidade.

Que o coração seja contente, solto, voante... E nas asas da espiritualidade, alcance patamares superiores de evolução.

Que por onde andares, a força do AMOR esteja sempre presente, sinalizando direções, amainando as intempéries da estrada.

Que este amor seja a meta, o rumo, a estrela-guia, a tramontana, pelas veredas do bem, transformando os dramas em soluções e o caminhar cansado em passos saltitantes de alegria e felicidade.

Que DEUS  te abençoe sempre e que esta existência seja plena de paz, de aprendizado, de luz...

quinta-feira, 1 de dezembro de 2011

O QUE RESTOU


O QUE RESTOU
(Genaura Tormin)

A tristeza recolheu-se mórbida, arredia.
Enclausurou-se em compartimentos secretos,
Recuos escuros, fragmentados em ecos.
Tudo ficou vazio, amorfo, sem cor...
Acrescido de um enorme gosto de dor.

Na garganta emudeceu o canto.
Foi-se a melodia e toda aquela alegria!
Em cacos desfez-se o sentimento.
Uma tela desfigurada, em garatujas bordada,
Foi o que restou.

Gyn, 01.12.2011

LEVE, LIVRE & SOLTA!


Sejam bem vindos!
Vocês alegram a minh'alma e meu coração.

Era uma luz no fim do túnel e eu não podia perder.
Era a oportunidade que me batia à porta.
Seria uma Delegada de Polícia, mesmo paraplégica!
Registrei a idéia e parti para o confronto.
Talvez o mais ousado de toda a minha vida.
Era tudo ou NADA!
(Genaura Tormin)


"Sou como a Rocha nua e crua, onde o navio bate e recua na amplidão do espaço a ermo.
Posso cair. Caio!
Mas caio de pé por cima dos meus escombros".
Embora não haja a força motora para manter-me fisicamente ereta, alicerço-me nas asas da CORAGEM, do OTIMISMO e da FÉ.

(Genaura Tormin)