PLANTIO

PLANTIO
PLANTIO
(Genaura Tormin)

Deus,
Senhor dos mares e montes,
Das flores e fontes.
Senhor da vida!
Senhor dos meus versos,
Do meu canto.

A Ti agradeço
A força para a jornada,
A emoção da semeadura,
A alegria da colheita.

Ao celeiro,
Recolho os frutos.
Renovo a fé no trabalho justo,
Na divisão do pão,
. E do amor fraterno.

domingo, 25 de dezembro de 2011

JÁ É NATAL!



JÁ É NATAL!
(Genaura Tormin)

Meu Deus, já é Natal!
Volto no tempo, sinto saudades!
Os filhos pequenos, as novidades,
Quanta guloseima, os  presentes...

A alegria da gente!
Uma árvore cheia de cartõezinhos!
Minha mãe, toda contente!
Quantos abraços, beijos e carinhos!

As crianças cresceram, mamãe foi para o céu.
Tudo mudou, voou  nas asas do vento,
Versejado agora em forma de lamento.

Viver é isso: plantar sementes!
Acalentar as crias com a seiva do próprio ser,
Deixá-las partir e ficar contente.

FELIZ NATAL!

4 comentários:

  1. Boa tarde, Genaura!!! Penso que é assim mesmo: na roda da vida, as situações mudam, mas devemos sempre manter a paz da consciência tranquila, do dever cumprido!!! Um grande beijo pra vc!!! E um feliz 2012!!

    ResponderExcluir
  2. O tempo tatua Ano a Ano mais uma marca
    Cria-se riscos em Vetores de diversas direções
    Retornamos a origem e seguimos o seu sentido
    A intesidade deles formam no somatório
    a Resultante de todo essa nossa existência
    Um beijo
    Um Feliz Ano Novo

    ResponderExcluir
  3. Muy bonita la entrada
    deseo que tengas unas felices fiestas
    y ¡¡feliz año 2012!!.
    un abrazo.

    ResponderExcluir
  4. Querida Genaura, linda sua mensagem!!!!!
    Quero desejar a tds vcs, um 2012 repleto de saúde , paz, esperança e muito amor

    ResponderExcluir

O seu comentário significa carinho e aprovação. Fico cativada e agradeço. Volte sempre! Genaura Tormin

LEVE, LIVRE & SOLTA!


Sejam bem vindos!
Vocês alegram a minh'alma e meu coração.

Era uma luz no fim do túnel e eu não podia perder.
Era a oportunidade que me batia à porta.
Seria uma Delegada de Polícia, mesmo paraplégica!
Registrei a idéia e parti para o confronto.
Talvez o mais ousado de toda a minha vida.
Era tudo ou NADA!
(Genaura Tormin)


"Sou como a Rocha nua e crua, onde o navio bate e recua na amplidão do espaço a ermo.
Posso cair. Caio!
Mas caio de pé por cima dos meus escombros".
Embora não haja a força motora para manter-me fisicamente ereta, alicerço-me nas asas da CORAGEM, do OTIMISMO e da FÉ.

(Genaura Tormin)