PLANTIO

PLANTIO
PLANTIO
(Genaura Tormin)

Deus,
Senhor dos mares e montes,
Das flores e fontes.
Senhor da vida!
Senhor dos meus versos,
Do meu canto.

A Ti agradeço
A força para a jornada,
A emoção da semeadura,
A alegria da colheita.

Ao celeiro,
Recolho os frutos.
Renovo a fé no trabalho justo,
Na divisão do pão,
. E do amor fraterno.

sexta-feira, 1 de outubro de 2010

O ÚLTIMO DISCURSO QUE FIZ DE PÉ



Revendo guardados, encontrei este pequeno discurso, escrito a mão, já amarelado, envelhecido, desbotado... Juro que ao lê lo, não pude conter as lágrimas. Como a vida nos transforma! Lembrei-me desse encerramento de ano, dessa festinha que foi tão linda, tão descontraída. A turma era coesa, amiga... Embora simples a minha fala, vejo que me preparava para uma marcante mudança de vida! (...Aliás, a vida é uma constante luta. Se não o fosse, não teríamos nada para agradecer, pois o que não nos custa nada, pouco vale). Bom que eu não depus as armas. Até hoje as tenho sempre em punho. Sou uma guerreira, sempre à frente da trincheira. A cada dia ganho mais destreza para enfrentar as intempéries que ainda me serão oferecidas.

O ÚLTIMO DISCURSO QUE FIZ DE PÉ
(Genaura Tormin)

Discurso de encerramento do ano de 1981 no Posto Policial do Hospital das Clínicas, de cujo Posto eu era a supervisora.

Meus queridos colegas de trabalho!
Meus amigos:

Hoje é um dia diferente para nós! Não um dia de vigília, de trabalho, mas um dia de lazer, em que os nossos corações se aproximam cheios de festa, e unidos damos as mãos para encerrar mais um ano de luta.

Aliás, a vida é uma constante luta. Se não o fosse, não teríamos nada para agradecer, pois o que não nos custa nada, pouco vale.

Prezados colegas,

Formamos aqui uma família, onde não há o maior nem o menor. Todos nós somos iguais, amigos e estamos no mesmo barco, remando com solidariedade para que ele não afunde.

Somos pequenos, mas como diz o velho adágio: o importante não é sermos grandes ou pequenos, mas sermos nós mesmos nos realizando com a missão que nos foi confiada.

Portanto, vamos dar largas à criança que vive dentro de nós. Vamos encerrar o ano com alegria! E dentro da amizade descontraída da nossa gente, brincar de amigo secreto e pagar a prenda ou a penitência se for necessário.

Como porta voz de vocês, quero agradecer de coração a cada um por dias tão maravilhosos que me proporcionaram neste posto. Obrigada!!

Genaura Tormin (3 meses depois fiquei inesperadamente paraplégica e sem motivo plausível)

Um comentário:

  1. Sou sua fã! Já dizia o poeta, que a vida é luta renhida, aos fracos abate e, aos fortes, só faz exaltar!

    ResponderExcluir

O seu comentário significa carinho e aprovação. Fico cativada e agradeço. Volte sempre! Genaura Tormin

LEVE, LIVRE & SOLTA!


Sejam bem vindos!
Vocês alegram a minh'alma e meu coração.

Era uma luz no fim do túnel e eu não podia perder.
Era a oportunidade que me batia à porta.
Seria uma Delegada de Polícia, mesmo paraplégica!
Registrei a idéia e parti para o confronto.
Talvez o mais ousado de toda a minha vida.
Era tudo ou NADA!
(Genaura Tormin)


"Sou como a Rocha nua e crua, onde o navio bate e recua na amplidão do espaço a ermo.
Posso cair. Caio!
Mas caio de pé por cima dos meus escombros".
Embora não haja a força motora para manter-me fisicamente ereta, alicerço-me nas asas da CORAGEM, do OTIMISMO e da FÉ.

(Genaura Tormin)