PLANTIO

PLANTIO
PLANTIO
(Genaura Tormin)

Deus,
Senhor dos mares e montes,
Das flores e fontes.
Senhor da vida!
Senhor dos meus versos,
Do meu canto.

A Ti agradeço
A força para a jornada,
A emoção da semeadura,
A alegria da colheita.

Ao celeiro,
Recolho os frutos.
Renovo a fé no trabalho justo,
Na divisão do pão,
. E do amor fraterno.

domingo, 30 de maio de 2010

SOLFEJO SAUDADE


SOLFEJO SAUDADE
(Genaura Tormin)

Nasci entre o arvoredo
E a cantiga da cascata.
O céu estrelado
Tecia formas luminosas,
Na tela espalmada,
Do terreiro de minha casa.

Sem berço e sem guarida,
Eu me sentia tão querida.
Naquele palco, a lua matreira
E a sinfonia da natureza,
Estampavam-se em flores,
Nas cores do amanhecer.
Quanta beleza!

No colo da noite,
Hoje adormeço.
Sou fruto do açoite,
Dos pedregulhos da estrada.
Por cobertor,
Tenho os restos de madrugada.

Para não chorar,
Crio metáforas,
Relembrando da felicidade
Que abandonei na antiga morada.
Solfejo saudade!
Sou prisioneira de minha teia,
Numa masmorra fria,
Chamada cidade!

2 comentários:

  1. Ai, amiga. Tocou minha alma. Assim eu nasci tb na minha querida Aba da Serra. Jamais esqueceremos nossa vida de criança. Lindo!

    bjos, amiga querida.

    ResponderExcluir

O seu comentário significa carinho e aprovação. Fico cativada e agradeço. Volte sempre! Genaura Tormin

LEVE, LIVRE & SOLTA!


Sejam bem vindos!
Vocês alegram a minh'alma e meu coração.

Era uma luz no fim do túnel e eu não podia perder.
Era a oportunidade que me batia à porta.
Seria uma Delegada de Polícia, mesmo paraplégica!
Registrei a idéia e parti para o confronto.
Talvez o mais ousado de toda a minha vida.
Era tudo ou NADA!
(Genaura Tormin)


"Sou como a Rocha nua e crua, onde o navio bate e recua na amplidão do espaço a ermo.
Posso cair. Caio!
Mas caio de pé por cima dos meus escombros".
Embora não haja a força motora para manter-me fisicamente ereta, alicerço-me nas asas da CORAGEM, do OTIMISMO e da FÉ.

(Genaura Tormin)