PLANTIO

PLANTIO
PLANTIO
(Genaura Tormin)

Deus,
Senhor dos mares e montes,
Das flores e fontes.
Senhor da vida!
Senhor dos meus versos,
Do meu canto.

A Ti agradeço
A força para a jornada,
A emoção da semeadura,
A alegria da colheita.

Ao celeiro,
Recolho os frutos.
Renovo a fé no trabalho justo,
Na divisão do pão,
. E do amor fraterno.

terça-feira, 3 de julho de 2012

MAIS UM ANO EU VIVI




MAIS UM ANO EU VIVI
(Genaura Tormin)

Mês de julho!
Mais um aniversário!
Tudo tão célere
Feito as contas de um rosário.

Cabisbaixa está a silhueta!
Mas a alma ereta, satisfeita
Planta aconchego e canta,
Ouriçando este coração/poeta.

O espelho reflete os sonhos,
Os medos e as verdades,
Arsenal de amores,
Projetos e versos
Legados para a posteridade!

Nesse passo de dança,
Nesse canto que canto,
Debulho toda a esperança
Dessa poeta criança
Que ainda vive em mim.

É meu aniversário!
Quantos anos vivi?
Eu não os conto assim.
Conto pelo que fiz,
Pelo que faço,
Pelos laços e passos,
Pelo bem que pude dividir
Nesta estada por aqui!

Gyn, 03.07.2012

Um comentário:

  1. Versos de uma poesia que enaltece-lhe mais e mais a beleza dessa alma alva e linda.
    Não há que preocupar-se com a aparência física, pois o que vale está em nosso interior, posto que o espírito deve ser belo de amor, este mesmo amor que transparece em seus olhos e em seu carisma.
    Você, com a idade que o tempo lhe dá, está muito bonita. A idade que seu espírito faz com que você transcenda ao tempo, configura-lhe uma beleza ímpar.
    Mais uma vez, meu abraço com muito carinho.
    Maria Paraguassu.

    ResponderExcluir

O seu comentário significa carinho e aprovação. Fico cativada e agradeço. Volte sempre! Genaura Tormin

LEVE, LIVRE & SOLTA!


Sejam bem vindos!
Vocês alegram a minh'alma e meu coração.

Era uma luz no fim do túnel e eu não podia perder.
Era a oportunidade que me batia à porta.
Seria uma Delegada de Polícia, mesmo paraplégica!
Registrei a idéia e parti para o confronto.
Talvez o mais ousado de toda a minha vida.
Era tudo ou NADA!
(Genaura Tormin)


"Sou como a Rocha nua e crua, onde o navio bate e recua na amplidão do espaço a ermo.
Posso cair. Caio!
Mas caio de pé por cima dos meus escombros".
Embora não haja a força motora para manter-me fisicamente ereta, alicerço-me nas asas da CORAGEM, do OTIMISMO e da FÉ.

(Genaura Tormin)