PLANTIO

PLANTIO
PLANTIO
(Genaura Tormin)

Deus,
Senhor dos mares e montes,
Das flores e fontes.
Senhor da vida!
Senhor dos meus versos,
Do meu canto.

A Ti agradeço
A força para a jornada,
A emoção da semeadura,
A alegria da colheita.

Ao celeiro,
Recolho os frutos.
Renovo a fé no trabalho justo,
Na divisão do pão,
. E do amor fraterno.

sexta-feira, 8 de maio de 2009

MINHAS MÃOS


MINHAS MÃOS
(Genaura Tormin)

Irmãs gêmeas,
Auxiliares silenciosas, prestativas.
São afoitas, corajosas, guerreiras!
Acenam, dividem, compreendem, agridem!
Enxugam lágrimas atrevidas.
Guardam os meus segredos,
Disfarçam minhas tristezas.

Eruditas, defendem teses, folheiam leis, dão ordens...
Gosto-as sensuais na persuasão do amor.
Quanto afago, quanto carinho, fazem elas!
Estendidas, humildes, pedem perdão.
Sensíveis, entregam-se a devaneios,
À conquista do futuro e às lembranças do passado.
Escrevem poemas, debulham-se em rimas.
Alegres, ficam faceiras, buliçosas, arteiras,
Parecem dançar.

Mãos!
As minhas mãos!
Feito uma oração,
Ajudam às minhas pernas,
Transferindo-as, tão ternas,
Para o carro, para a cadeira...
E até ao me deitar,
Lá estão elas dispostas a me ajudar.

Mãos,
Dois anjos trabalhadores!
Cuidam da minha aparência:
A vestimenta, os acessórios...
O cabelo em cachos, o rosto maquiado,
Batom vermelho, olhar travesso,
O perfume "coco chanel", e até o anel,
Foram serviços das minhas Mãos!
Duas incansáveis trabalhadoras!
Cúmplices do meu viver!

Nenhum comentário:

Postar um comentário

O seu comentário significa carinho e aprovação. Fico cativada e agradeço. Volte sempre! Genaura Tormin

LEVE, LIVRE & SOLTA!


Sejam bem vindos!
Vocês alegram a minh'alma e meu coração.

Era uma luz no fim do túnel e eu não podia perder.
Era a oportunidade que me batia à porta.
Seria uma Delegada de Polícia, mesmo paraplégica!
Registrei a idéia e parti para o confronto.
Talvez o mais ousado de toda a minha vida.
Era tudo ou NADA!
(Genaura Tormin)


"Sou como a Rocha nua e crua, onde o navio bate e recua na amplidão do espaço a ermo.
Posso cair. Caio!
Mas caio de pé por cima dos meus escombros".
Embora não haja a força motora para manter-me fisicamente ereta, alicerço-me nas asas da CORAGEM, do OTIMISMO e da FÉ.

(Genaura Tormin)