PLANTIO

PLANTIO
PLANTIO
(Genaura Tormin)

Deus,
Senhor dos mares e montes,
Das flores e fontes.
Senhor da vida!
Senhor dos meus versos,
Do meu canto.

A Ti agradeço
A força para a jornada,
A emoção da semeadura,
A alegria da colheita.

Ao celeiro,
Recolho os frutos.
Renovo a fé no trabalho justo,
Na divisão do pão,
. E do amor fraterno.

quinta-feira, 23 de abril de 2009

EVIDÊNCIA


EVIDÊNCIA
(Genaura Tormin)

No silêncio
Os lamentos tardios
E as escusas do que se foi.
O cérebro confunde
Os desejos esquecidos.

O tempo está parado,
O vento não encanta,
Como outrora,
Porque as flores
Já não exalam perfumes.

Não há espera...
Ela não é necessária.
Os dias são normais.
O querer se foi
Com o entardecer,
Numa revoada de pássaros.

Mesmo assim,
Eu sinto frio.
Tudo está tão só,
O coração vazio.
No silêncio,
As respostas de perguntas
Feitas ao nada.

4 comentários:

  1. Cancioneira da saudade
    Nossa companheira sempre
    Águas do ontem
    Retornando à nascente
    Rios da memória
    E do coração!!!

    Ler-te...
    É pousar os olhos
    No horizonte da alma
    Ascender à emoção,
    Linda e Amada Gê!!!

    Beijo todo carinho no
    teu terno coração, Amiga!!!
    Iza

    ResponderExcluir
  2. GenaurAmadAmiga...

    eu, constatando que a maior "evidência" ainda é a beleza constante e indiscutível da tua poesia!
    Belíssima, querida. Sempre meu amor-amigo e bjs.

    ResponderExcluir
  3. Genaura
    Como é bom chegar a esse cantinho romântico ouvir essa música e deleitar com os contos, estórias e versos montados com um sentimento aflorado com as flores do campo.
    Um carinhoso abraço
    mochiaro

    ResponderExcluir
  4. Genaura
    Como é bom chegar a esse cantinho e ouvir a música, ler estórias e contos e deleitar com a poesias afloradas com as flores do campo.
    Um abraço e u beijo carinhoso
    mochiaro

    ResponderExcluir

O seu comentário significa carinho e aprovação. Fico cativada e agradeço. Volte sempre! Genaura Tormin

LEVE, LIVRE & SOLTA!


Sejam bem vindos!
Vocês alegram a minh'alma e meu coração.

Era uma luz no fim do túnel e eu não podia perder.
Era a oportunidade que me batia à porta.
Seria uma Delegada de Polícia, mesmo paraplégica!
Registrei a idéia e parti para o confronto.
Talvez o mais ousado de toda a minha vida.
Era tudo ou NADA!
(Genaura Tormin)


"Sou como a Rocha nua e crua, onde o navio bate e recua na amplidão do espaço a ermo.
Posso cair. Caio!
Mas caio de pé por cima dos meus escombros".
Embora não haja a força motora para manter-me fisicamente ereta, alicerço-me nas asas da CORAGEM, do OTIMISMO e da FÉ.

(Genaura Tormin)