PLANTIO

PLANTIO
PLANTIO
(Genaura Tormin)

Deus,
Senhor dos mares e montes,
Das flores e fontes.
Senhor da vida!
Senhor dos meus versos,
Do meu canto.

A Ti agradeço
A força para a jornada,
A emoção da semeadura,
A alegria da colheita.

Ao celeiro,
Recolho os frutos.
Renovo a fé no trabalho justo,
Na divisão do pão,
. E do amor fraterno.

sábado, 14 de abril de 2012

BORDAS DO TEMPO


BORDAS DO TEMPO
(Genaura Tormin)


(Para Fernando Tormin)

Acalentado no colo da poesia,
No canto da alegria,
Descansa o meu sonho.
Um dia, talvez,

Seja realizado por ti!

Que tal

Uma voltinha
Nas asas do vento,
Nas bordas do tempo?
Isso acontece na vida!
Quando acontecer,
Lembra-te de mim!
Eu estarei na tua saudade,

No teu passado ainda recente...

E ao teu lado,
Sobrevoaremos o mar bravio,
Aos encantos do vento e
No matizado azulino

Das nuvens viajeiras.

Espero que seja
Numa manhã de domingo

Cheia de mistérios, de magia...
Tu e eu
Seremos os donos do mundo,
Das matas, dos prados,
Sob asas que se embuçarão
Nos céus dos nossos sonhos.
Uma lembrança!
Uma história engastada
Nas bordas do tempo.


2 comentários:

  1. Bordas do Tempo é um convite para o amor!
    Que Fernando ouça tudo que você planeja e realize seu sonho.
    Abraços
    Tânia Suzart

    ResponderExcluir
  2. Muita coisa que ontem parecia importante ou significativa amanhã virará pó no filtro da memória. Mas o sorriso (...) ah, esse resistirá a todas as ciladas do tempo.

    Caio Fernando Abreu


    Feliz e abençoado Domingo e beijos meus! M@ria

    ResponderExcluir

O seu comentário significa carinho e aprovação. Fico cativada e agradeço. Volte sempre! Genaura Tormin

LEVE, LIVRE & SOLTA!


Sejam bem vindos!
Vocês alegram a minh'alma e meu coração.

Era uma luz no fim do túnel e eu não podia perder.
Era a oportunidade que me batia à porta.
Seria uma Delegada de Polícia, mesmo paraplégica!
Registrei a idéia e parti para o confronto.
Talvez o mais ousado de toda a minha vida.
Era tudo ou NADA!
(Genaura Tormin)


"Sou como a Rocha nua e crua, onde o navio bate e recua na amplidão do espaço a ermo.
Posso cair. Caio!
Mas caio de pé por cima dos meus escombros".
Embora não haja a força motora para manter-me fisicamente ereta, alicerço-me nas asas da CORAGEM, do OTIMISMO e da FÉ.

(Genaura Tormin)