PLANTIO

PLANTIO
PLANTIO
(Genaura Tormin)

Deus,
Senhor dos mares e montes,
Das flores e fontes.
Senhor da vida!
Senhor dos meus versos,
Do meu canto.

A Ti agradeço
A força para a jornada,
A emoção da semeadura,
A alegria da colheita.

Ao celeiro,
Recolho os frutos.
Renovo a fé no trabalho justo,
Na divisão do pão,
. E do amor fraterno.

segunda-feira, 7 de setembro de 2009

MERAS ALEGRIAS

Essa floreira é no meu apart. Flores para enfeitar a vida, falar de amor...

MERAS ALEGRIAS
(Genaura Tormin)

Não fique triste!
A vida é assim,
Cheia de predegulhos,
Que nos ferem,
Que nos matam.

Poucas vezes,
Os caminhos são floridos,
Coloridos, perfumados,
Adornados pela fantasia,
Que nos faz seguir em frente.
Por vezes,
Sentimo-nos contentes.

São meras as alegrias,
Pois a ventania
Logo apaga o desenho
E o coração fica vazio,
A mercê das intempéries,
Do rigor do frio,
Da solidão implacável
Do desamor.

Resta apenas,
A certeza de que tudo passa!
Fique triste, não!
Vou te fazer um verso,
Uma canção...
Vou te arranjar um banquinho cativo
Neste meu coração.

Um comentário:

  1. Um lindíssimo poema.
    Deixa-me oferecer-te este meu:

    O MEU CAMINHO

    Prossigo percorrendo o meu caminho
    Eivado de barreiras e de escolhos
    Às vezes no trajecto vou sozinho
    E sinto essa tristeza nos meus olhos

    Aqui um doce cheiro a rosmaninho
    Ali um cardo pica... faz-me ferida
    Além já brilha a urze, o azevinho,
    É linda uma roseira tão florida...

    Aqui cai do riacho água em cascata
    Ali molha-me a chuva copiosa
    Logo o luar me cobre, cor de prata,
    E a lua me sorri tão luminosa...

    Aqui o sol me queima, a vista arde,
    Ali já sinto frio, sem afecto
    Depois eu sinto calma em fim de tarde
    E tenho comoção sob o meu tecto

    Aqui encontro água numa fonte
    E bebo, minha força retomando
    Ali fico sentado sobre o monte
    À volta o horizonte contemplando

    Aqui dormi um pouco e já acordo
    Dum sonho que não sei qual o sentido
    Ali olho pra trás... então recordo
    Foi bom este trajecto ter vencido

    Caminho sinuoso, complicado...
    Não sei o que me resta mas percorro
    Só sei que já me custa... estou cansado
    Mas penso… se parar depressa morro!

    E tanta pedra vejo!... E me comovo...
    Contudo nunca entro em desvario:
    Aquelas que inda posso, eu as removo
    Das outras, as maiores, me desvio.

    Joaquim Sustelo
    (editado em UM POUCO DE SOL)

    Beijo daqui de Portugal.

    ResponderExcluir

O seu comentário significa carinho e aprovação. Fico cativada e agradeço. Volte sempre! Genaura Tormin

LEVE, LIVRE & SOLTA!


Sejam bem vindos!
Vocês alegram a minh'alma e meu coração.

Era uma luz no fim do túnel e eu não podia perder.
Era a oportunidade que me batia à porta.
Seria uma Delegada de Polícia, mesmo paraplégica!
Registrei a idéia e parti para o confronto.
Talvez o mais ousado de toda a minha vida.
Era tudo ou NADA!
(Genaura Tormin)


"Sou como a Rocha nua e crua, onde o navio bate e recua na amplidão do espaço a ermo.
Posso cair. Caio!
Mas caio de pé por cima dos meus escombros".
Embora não haja a força motora para manter-me fisicamente ereta, alicerço-me nas asas da CORAGEM, do OTIMISMO e da FÉ.

(Genaura Tormin)