PLANTIO

PLANTIO
PLANTIO
(Genaura Tormin)

Deus,
Senhor dos mares e montes,
Das flores e fontes.
Senhor da vida!
Senhor dos meus versos,
Do meu canto.

A Ti agradeço
A força para a jornada,
A emoção da semeadura,
A alegria da colheita.

Ao celeiro,
Recolho os frutos.
Renovo a fé no trabalho justo,
Na divisão do pão,
. E do amor fraterno.

domingo, 2 de agosto de 2009

UM ANJO POLIVALENTE

(...um lindo flagrante de um momento inesquecível)

UM ANJO POLIVALENTE
Para Fernando Costa Tormin

_ Mamãe,
essa camisa combina com essa calça?
Lindinho, o Fernando!
Uma criança adorável,
carinhosa, ordeira e preocupada conosco.

Certo dia dirigiu-se ao pai,
ao despedir-se para a Escola:
_ Papai, não precisa dar dinheiro
pra gente tomar lanche!
Guarde para você pagar suas dívidas!
Era tão pequeno que a palavra dívidas
foi pronunciada de forma muito engraçada.

Não posso esquecer a meiguice,
os olhos lindos e tristes...
Gostava de cantar e encantava a todos.
inundava de luz qualquer ambiente.

Certa vez um policial de trânsito nos abordou.
Fernando tomou a defesa:
_ Minha mãe é polícia, quero vê!
Ela prende você!
Sorrindo, o guarda nos desculpou.

Garoto educado, trabalhador,
ótimo em tudo.
Um presente de Deus para a vida!
Um anjo da guarda polivante.

Hoje, um homem!
Um lindo rapaz!
Dono de todas as virtudes
Um bom filho, um bom colega...
Para ele nunca há problemas,
sempre soluções.
Um espírito evoluído
que tivemos o privilégio de chamar de filho.

Um comentário:

  1. Ai, Gê...
    sinto assim,
    "O PRIVILÉGIO DE CHAMAR DE FILHO"
    Nossos Anjos que crescem
    Mas não deixam de ser!!!

    Fernando...
    Pra ti e pra essa Mãe Linda que tens:
    F E L I C I D A D E S ! ! !

    Beijos, Amada Gê...
    E aos teus queridos todos,
    No coração!!!
    Iza

    ResponderExcluir

O seu comentário significa carinho e aprovação. Fico cativada e agradeço. Volte sempre! Genaura Tormin

LEVE, LIVRE & SOLTA!


Sejam bem vindos!
Vocês alegram a minh'alma e meu coração.

Era uma luz no fim do túnel e eu não podia perder.
Era a oportunidade que me batia à porta.
Seria uma Delegada de Polícia, mesmo paraplégica!
Registrei a idéia e parti para o confronto.
Talvez o mais ousado de toda a minha vida.
Era tudo ou NADA!
(Genaura Tormin)


"Sou como a Rocha nua e crua, onde o navio bate e recua na amplidão do espaço a ermo.
Posso cair. Caio!
Mas caio de pé por cima dos meus escombros".
Embora não haja a força motora para manter-me fisicamente ereta, alicerço-me nas asas da CORAGEM, do OTIMISMO e da FÉ.

(Genaura Tormin)