PLANTIO

PLANTIO
PLANTIO
(Genaura Tormin)

Deus,
Senhor dos mares e montes,
Das flores e fontes.
Senhor da vida!
Senhor dos meus versos,
Do meu canto.

A Ti agradeço
A força para a jornada,
A emoção da semeadura,
A alegria da colheita.

Ao celeiro,
Recolho os frutos.
Renovo a fé no trabalho justo,
Na divisão do pão,
. E do amor fraterno.

sexta-feira, 10 de julho de 2009

FAXINANDO A ALMA


FAXINANDO A ALMA
(Genaura Tormin)

Que o coração não guarde rancor.
Que o sorriso seja sincero,
Terno e verdadeiro.

Que as intempéries do caminho
Signifiquem lições de vida,
Degraus para o progresso.

Que a música seja a paz
Para os encontros com Deus
E com nós mesmos.
Que floresça sempre
A criança que há em nós.
Que os amores contenham magia,
Encanto em cada encontro.

Que os olhos possam mirar a vida,
Dispostos a multiplicar o bem.
Que a cada amanhecer,
Seja sempre um novo recomeço,
Onde alma dance na luz,
Na harmonia...
Na alegria de viver.

Que em cada contato,
Em cada diálogo,
Fiquem as marcas benfazejas
De novo aprendizado.
Que nos momentos de solidão e cansaço,
Esteja sempre presente
A certeza de que tudo passa,
Tudo se renova...

Que o coração voe contente,
Para que o amor floresça
Apascentando o espírito,
Renovando as energias,
A força e a fé.

Que a brisa da bondade
Seja a parceira inseparável.
Que os pensamentos equilibrados
Sejam o comando da jornada.
Que o amor seja a meta,
A tramontana, a estrela-guia,
No galope da existência.

Que as trevas transformem-se em luz,
E os trôpegos passos,
Em alegre dança renovadora.
Somos guerreiros!
E na aljava, o amor,
A justiça e a felicidade.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

O seu comentário significa carinho e aprovação. Fico cativada e agradeço. Volte sempre! Genaura Tormin

LEVE, LIVRE & SOLTA!


Sejam bem vindos!
Vocês alegram a minh'alma e meu coração.

Era uma luz no fim do túnel e eu não podia perder.
Era a oportunidade que me batia à porta.
Seria uma Delegada de Polícia, mesmo paraplégica!
Registrei a idéia e parti para o confronto.
Talvez o mais ousado de toda a minha vida.
Era tudo ou NADA!
(Genaura Tormin)


"Sou como a Rocha nua e crua, onde o navio bate e recua na amplidão do espaço a ermo.
Posso cair. Caio!
Mas caio de pé por cima dos meus escombros".
Embora não haja a força motora para manter-me fisicamente ereta, alicerço-me nas asas da CORAGEM, do OTIMISMO e da FÉ.

(Genaura Tormin)