PLANTIO

PLANTIO
PLANTIO
(Genaura Tormin)

Deus,
Senhor dos mares e montes,
Das flores e fontes.
Senhor da vida!
Senhor dos meus versos,
Do meu canto.

A Ti agradeço
A força para a jornada,
A emoção da semeadura,
A alegria da colheita.

Ao celeiro,
Recolho os frutos.
Renovo a fé no trabalho justo,
Na divisão do pão,
. E do amor fraterno.

segunda-feira, 27 de janeiro de 2014

PROFISSIONAL DE PORTAS


PROFISSIONAL DE PORTAS
(Genaura Tormin)

Eu tinha que cantar!
Não sabia por quanto tempo.
O coração agasalhava o medo.
Tudo atirado ao caos,
Parecia matar-me a alma.

Não havia portas,
Nem janelas.
Eu as teria que fabricar,
Jogar o jogo do contente
E seguir em frente!

O lar cheio de algazarras,
Risadas e alaridos
Havia ficado triste
Em rostinhos inocentes.
Um tornado havia passado
E sem dó desarrumado
O que eu havia colecionado.
Por isso,
Eu tinha que cantar!

Pus-me no trabalho!
Juntei os cacos,
Estanquei lágrimas
E fiz-me forte aos rigores do frio.
Teria que carpir portas!

Hoje,
Abro a janela tempo
E converso com o vento,
Que me açoita os cabelos brancos.

Revejo os feitos e concluo:
Fui uma profissional de portas!
Serviço bom e bem feito.
Por isso,
Eu hoje canto e agradeço!
Tenho mais do que preciso e mereço!

(7 meses de um difícil aprendizado de mim mesma, numa postura de faz-de-conta na incrível busca pela sobrevivência)

quinta-feira, 16 de janeiro de 2014

EU CANTO



EU CANTO
(Genaura Tormin)

Eu canto o que tive,
O que tenho e ainda terei.
Canto a vida, a liberdade,
O sonho de felicidade...
Canto o ontem,
O  hoje e o amanhã.

Canto o prazer,
A  coragem alada,
A  crença, a fé
E essa imensurável vontade de viver.
Eu canto!

E ao partir,
Aos que amei aqui,
Deixo os galanteios da alma,
A essência do meu ser,
O meu talento,
A fantasia do meu tempo,
E esse meu jeito de criança,
De sorriso farto,
De esperança.

Deixo, ainda, o sonho aceso,
Em passos andejos,
No solfejo
De um verso inacabado!


                      Gyn, 13.01.2014

domingo, 5 de janeiro de 2014

MISSÃO NOSSA



MISSÃO NOSSA
(Genaura Tormin)

O investimento maior da família deve ser dedicado aos filhos, missão nossa, cabendo-nos a responsabilidade de endereçá-los à trilha do bem. 

E isso se faz com presença, diálogo, carinho, orientação e exemplo. Por isso o casal pode se separar, os pais, nunca! É preciso saber fazer a diferença. É preciso preocupar-se com o desenvolvimento seguro dos filhos, pois serão eles os homens do amanhã. Dizem que quando vivemos na unidade, nossa morada torna-se um paraíso.

Basta pensar no grande número de crianças abandonadas, com pais vivos e ricos, que têm por amigos o aparelho de televisão, iPad, videogame, redes sociais, internet, com seus benefícios e malefícios, sempre ditados pela solidão e revoltas da idade. São os filhos dos pais “sem tempo” que, irremediavelmente, atribuem importância maior aos cifrões dos seus negócios, respondendo sempre: “Não posso agora, estou atrasado, é hora do jornal, do noticiário, da bolsa de valores etc.” Tentam materializar o carinho e compensar a ausência com exageradas permissividades e presentes caros. 

Ao exacerbar em oferecimentos materiais, os pais estão barateando a capacidade de luta dos filhos, diminuindo a busca e o desejo de conquista, o que os torna frágeis. 

Como estão errados esses pais!

Quase sempre, esses menores, com todos os desejos materiais satisfeitos e as emoções diminuídas, e estando ainda verdes para o auto-equilíbrio, o discernimento responsável, começam a perder a estima de si mesmos, tornando-se inseguros, tristes, rebeldes, enveredando facilmente pelo mundo das drogas à procura de carinho, de emoções maiores, iniciando o caos, que deixa marcas profundas, cicatrizes eternas. 

O que adianta vencer profissionalmente, mas perder a família a qual é mais do que parte de nós? É missão e razão de toda a nossa luta na vida. É preciso conciliar família, trabalho, respeito e autoridade.

É questão de inteligência e muito mais de amor. É preciso que se determinem limites e metas para a organização familiar, pois a energia também é amor. O tempo não espera. Um belo dia você descobre que fez tudo errado. E o mais lastimável é que não há conserto. Não há dinheiro que consiga recuperar o que foi perdido.

(…Excerto do  livro Pássaro Sem Asas de minha autoria)

quarta-feira, 1 de janeiro de 2014

NOVO ANO CHEGOU



NOVO ANO CHEGOU!
(Genaura Tormin)

E agora?
Armas na aljava,
Fé no futuro,
Bons projetos,
Coragem para executá-los
E PÉ NA ESTRADA!


Sentado não se chega a nada!!
Risos!
E eu?
Eu rodo, rodo,
cambaleio, caio!
Levanto, quebro pé...
Remendo tudo e rodo de novo!


Minha meta é seguir
Feliz, contente!
Peito aberto à alegria,
No solfejo do amor.
O mestre é a valentia!
E o resto?

É só poesia!

NADA A PEDIR




NADA A PEDIR
(Genaura Tormin


Sou uma caminheira feliz!
Sigo contente a minha estrada!
Tenho muito mais do que mereço!
Obrigada, Senhor! 
Tenho um trabalho,
Um amor, um abrigo,
E sempre um lar para voltar!


Uma família!
Filhos amorosos, netos,
Amigos sinceros
E disposição para amar!
O que mais quero?



Mas,
Neste Ano que se inicia, 
Segura-me as rédeas, Senhor,
Frena-me o galopar,
As bestialidades...
Indica-me caminhos
Para que eu possa 
Evoluir, seguir e chegar!

LEVE, LIVRE & SOLTA!


Sejam bem vindos!
Vocês alegram a minh'alma e meu coração.

Era uma luz no fim do túnel e eu não podia perder.
Era a oportunidade que me batia à porta.
Seria uma Delegada de Polícia, mesmo paraplégica!
Registrei a idéia e parti para o confronto.
Talvez o mais ousado de toda a minha vida.
Era tudo ou NADA!
(Genaura Tormin)


"Sou como a Rocha nua e crua, onde o navio bate e recua na amplidão do espaço a ermo.
Posso cair. Caio!
Mas caio de pé por cima dos meus escombros".
Embora não haja a força motora para manter-me fisicamente ereta, alicerço-me nas asas da CORAGEM, do OTIMISMO e da FÉ.

(Genaura Tormin)